Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 04set

    METRO

     

    Pessoa disse que propinas eram ‘regra do jogo’ | Zanone Fraissat / Folhapress

    O dono da UTC, Ricardo Pessoa, disse nesta quinta-feira à Justiça que “depositava oficialmente na conta do Partido dos Trabalhadores” parte da propina que a empreiteira pagava por obras na Petrobras.

    Foi a primeira vez que Pessoa deu depoimento após prestar delação premiada, em acordo que prevê uma multa de R$ 51 milhões.

    O empreiteiro admitiu que a delação incrimina políticos, sem citar nomes. Os termos estão em sigilo, mas, segundo publicado por alguns veículos,  citariam inclusive a presidente Dilma e o ex-presidente Lula.

    Ao juiz Sérgio Moro, Pessoa contou que a UTC pagou propina por todos os contratos na Petrobras entre 2006 e 2012.

    O empresário diz ter sido chamado de início pelo ex-deputado José Janene (morto em 2010), para “uns três jantares”, onde acertaram propinas ao PP em obras da Diretoria de Abastecimento, de Paulo Roberto Costa.

    O dono da UTC disse que Renato Duque, ex-diretor de Serviços, pediu pouco depois para Pessoa fazer “contribuições políticas” ao PT, por meio do ex-tesoureiro do partido João Vaccari. “Para mim, [quando pagava propina] à Diretoria de Serviços, eu estava pagando ao Vaccari, era a mesma coisa”, afirmou.

    Pessoa ficou preso por cinco meses e foi solto em abril. Ele obteve o benefício de prisão domiciliar e voltou a trabalhar na empresa.

    O empresário admitiu que as construtoras se reuniam para “definir prioridades” entre os grandes contratos da Petrobras.

    Mas negou que o método fraudava todas as licitações: segundo ele, o chamado ‘clube’ se reunia em grandes consórcios, mas às vezes havia empreiteiras ‘aventureiras’ na concorrência.

    “Nós tínhamos a segurança de 70% a 80%. Eu, na UTC, tive pelo menos duas ou três grandes surpresas [licitações vencidas fora da previsão do clube]”, disse.

    O clube não tinha acesso aos preços que a Petrobras estava disposta a pagar por cada obra, e as propostas das empreiteiras ficavam muito caras “quando o projeto era errado, e muitas vezes era”, segundo o delator.

    Vaccarezza é indiciado na Lava Jato

    A PF concluiu ontem o indiciamento de três políticos investigados pela Procuradoria Geral da República: o ex-deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) e os deputados Nelson Meurer (PP-PR) e Vander Loubet (PT-MS).  O trio foi citado como recebedor de propina da Lava Jato, tanto pelo doleiro Alberto Youssef como pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa.

    Vaccarezza, segundo Costa, recebeu R$ 400 mil de um lobista de uma empresa americana, que forneceu asfalto à Petrobras. Já Loubet teria recebido R$ 1 milhão de Youssef por ordem de Pedro Leoni Ramos, secretário do governo Collor.

    Meurer, por fim, é suspeito de ter recebido R$ 1,65 milhão, também por Youssef.

    O advogado de Meurer disse que não pode se pronunciar antes de ver o relatório. Vaccarezza e Loubet já haviam negado as denúncias quando foram citados.

    José Dirceu

    O Ministério Público Federal deve denunciar hoje o ex-chefe da Casa Civil José Dirceu e os demais envolvidos na Lava Jato ligados ao ex-ministro.

    Dirceu foi indiciado pela PF com mais 13 pessoas, incluindo o irmão e a filha. 

    O grupo é suspeito de ter movimentado ao menos R$ 59 milhões em propinas.

    O próprio Dirceu é apontado como beneficiário direto de R$ 11,8 milhões. 

    Publicado por jagostinho @ 13:39



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.