Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 14maio

     

    FOLHA.COM – MARIO CESAR CARVALHO – FLÁVIO FERREIRA DE SÃO PAULO – GABRIEL MASCARENHAS – RUBENS VALENTE DE BRASÍLIA

    Empreiteiro assina acordo de delação e vai devolver R$ 50 milhões

     

    Zanone Fraissat – 14.nov.2014/Folhapress
    O empresário Ricardo Pessoa, presidente da UTC, quando foi preso, em novembro de 2014
    O empresário Ricardo Pessoa, presidente da UTC, quando foi preso, em novembro de 2014

     

    O empreiteiro Ricardo Pessoa, dono da UTC Engenharia, passou cerca de quatro horas nesta quarta-feira (13) na sede da PGR (Procuradoria Geral da República), em Brasília, com os procuradores da República que trabalham nos inquéritos sobre políticos relativos à Operação Lava Jato.

    A Folha apurou que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, também participou da conversa, cujo objetivo era estabelecer os parâmetros do acordo de delação premiada a ser fechado com o Ministério Público Federal.

    Os procuradores querem que Pessoa narre o que sabe a respeito do escândalo do desvio de recursos da Petrobras.

    A Folha revelou, nesta quarta (13), que Pessoa iria à Brasília para assinar o acordo e também se comprometer a pagar uma multa, avaliada pelos procuradores nos últimos dias como sendo de R$ 55 milhões.

    O STF e a Polícia Federal não participaram da reunião na PGR. O acordo de delação ainda deverá ser homologado pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Teori Zavascki.

    A PGR informou, por meio da assessoria, que não vai se manifestar sobre o assunto.

    Segundo “O Globo” e “O Estado de S. Paulo”, Ricardo Pessoa mencionou, na PGR, o nome do senador Edison Lobão (PMDB-MA) e de outros parlamentares, mas as circunstâncias das citações ainda não estão claras.

    Advogado de Lobão, Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, afirmou que não conseguiu confirmar a citação ao seu cliente e, por isso, não pode comentá-la.

    “Ainda assim, vejo com muitas reservas afirmações feitas em delações premiadas. Em outros depoimentos recentes, já vimos contradições, ilações e coisas que não se confirmaram”, disse Kakay.

    Pessoa narrou à força tarefa da Lava Jato em Curitiba (PR), como revelou aFolha no sábado (9), que doou R$ 7,5 milhões para a campanha eleitoral de Dilma Rousseff à reeleição à Presidência, em 2014, porque temia retaliações do PT nos contratos que sua empresa, a UTC, mantinha com a Petrobras.

    De acordo com o empreiteiro, a doação foi acertada com Edinho Silva, na época tesoureiro da campanha de Dilma e hoje ministro da Secretaria de Comunicação Social.

    Tanto ele quanto o PT afirmaram, em resposta à revelação, que todas as doações ao partido seguiram a lei eleitoral.

    Pessoa também narrou ter pago propina para obter um contrato na obra da usina nuclear de Angra 3, no Rio de Janeiro.

    Publicado por jagostinho @ 10:07



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.