Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 04maio

    GAZETA DO POVO – André Pugliesi

    Operário massacra Coxa e é campeão paranaense pela primeira vez

    Jogadores do Operário comemoram o primeiro título estadual da equipe. Foto:- Daniel Castellano/Gazeta do Povo

    Jogadores do Operário comemoram o primeiro título estadual da equipe. Foto:- Daniel Castellano/Gazeta do Povo

    Mais de um século de espera acabou em êxtase. Aos 103 anos, o Operário conquistou o primeiro título de sua história com roteiro perfeito: massacre sobre o Coritiba, maior vencedor do Estadual (37) e também clube centenário.

    No placar agregado, 5 a 0 para o Fantasma, campeão Paranaense de 2015. No jogo de ida, vitória por 2 a 0 no estádio Germano Krüger, em Ponta Grossa. Na volta, 3 a 0, em pleno Couto Pereira, diante de mais de 22 mil pessoas presentes.

    Joelson e Peixoto serão lembrados para sempre como os autores dos gols na partida disputada nos Campos Gerais. Ruy e Juba (2) marcaram no segundo e último confronto, em Curitiba, no domingo (3).

    Tamanha superioridade deixou a torcida do Fantasma à vontade para celebrar mesmo antes de a partida acabar. Quando Juba mandou para as redes, aos 12 minutos da etapa final, o grito de “é campeão” ecoou no Alto da Glória.

    Viriam o segundo, aos 30, de Ruy, e o terceiro, de Juba, aos 33. E assim, ao apito final do árbitro Rafael Traci, os alvinegros (4 mil no total), que lotaram os três anéis do gol de fundo do estádio, sentiram-se em casa: “Ahá, uhu, o Couto é nosso”.

    Nesse momento, boa parte dos coxa-brancas já tinham ido embora. Os que ficaram, aplaudiram de pé o rival.

    “O Operário agora tem um título. Estamos muito felizes, o grupo de atletas se empenhou, teve atitude e venceu sem contestação. Terminou uma espera de 103 anos”, comentou o técnico Itamar Schülle, um dos heróis da campanha.

    Até então, o Operário tinha 14 vice-campeonatos. O último deles há 54 anos, em 1961, quando viu outro time do interior, o Comercial de Cornélio Procópio, ficar com a taça.

    “Meu neto vai dizer daqui a 50 anos que o avô dele foi presidente do clube campeão depois de 103 anos, como não ficar feliz com isso?. É uma glória eterna”, declarou Laurival Pontarollo, presidente do clube pontagrossense.

    Com o feito, o título estadual segue no interior do estado. Em 2014, o Londrina foi campeão na decisão com o Maringá. Desta vez, foi o Fantasma que entrou para a história.

    Craque

    Juba

    Com mobilidade e velocidade, o atacante foi o encarregado de puxar os contra ataques do Operário e acabou aproveitando os espaços deixados pelo Coxa para marcar dois gols e dar uma assistência.

    Bonde

    João Paulo

    Sem conseguir dar a saída de bola que o técnico gostaria, foi sacado no inicio da segunda etapa.

    Guerreiro

    Ruy

    Dono do meio de campo, o jogador foi responsável por cadenciar o ritmo da partida, na medida da necessidade do Operário. Acabou demonstrando sua boa presença ofensiva marcando o segundo do Fantasma na partida.

    Gols

    2º Tempo

    0x1 – Juba – 13 mins.: No contra ataque, Douglas Baia recebe na direita, vai ao fundo e cruza rasteiro, Juba se antecipa a Vaná e toca para o fundo do gol.

    0x2 – Ruy – 30 mins.: Juba recebe na direita, corta para o meio e enfia para Ruy, que entra no meio da zaga e toca na saída de Vaná para ampliar o placar.

    0x3 – Juba – 33 mins.: Chicão arranca pelo meio, bate da entrada da área e a bola acerta a trave. Na sobra, Juba, com o gol livre, completa para as redes.

    Chave do jogo

    Com a forte defesa, o Fantasma esperou o Coritiba, aproveitou o desespero do adversário e matou a conquista.

    Publicado por jagostinho @ 08:33



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.