Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 10mar

    UCHO.INFO

    Janot já identificou R$ 13,5 milhões em doações de empreiteiras do Petrolão para Gleisi Hoffmann

    gleisi_hoffmann_77Na petição do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, entregue ao Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar a senadora Gleisi Helena Hoffmann (PT-PR) está o pedido de pesquisa das doações eleitorais em favor da petista, através do comitê financeiro e dos diretórios estadual e nacional para “identificar dentre os doadores, as empresas investigadas na Operação Lava-Jato”.

    De acordo com a petição, Gleisi pode ter recebido os recursos desviados, em épocas de campanhas eleitorais, através de doações “oficiais”, devidamente declaradas, pelas construtoras ou empresas coligadas, diretamente para os políticos ou para o diretório nacional ou estadual do partido respectivo, “as quais, em verdade, consistiam em propinas pagas e disfarçadas do seu real propósito”.

    A suspeita do procurador se fundamenta no histórico de doações das campanhas de 2010 e 2014. Nas duas campanhas, Gleisi recebeu R$ 13,5 milhões de empresas – a maioria delas empreiteiras – denunciadas por pagamentos de propina, corrupção e financiamentos de campanhas eleitorais.

    Nesse montante, em menor valor, estão também doações de empresas e diretores com obras contratadas pelo governo federal durante os governos Lula e Dilma.

    Em 2010, Gleisi teve ainda a maior parte de sua campanha irrigada em R$ 3,7 milhões doados por empreiteiras.

    Outros R$ 2,7 milhões foram doados pelos diretórios estadual (R$ 881,3 mil) e nacional (R$ 1,9 milhão) do PT que obtiveram 75% dos seus recursos através de doações de empreiteiras.

    Fazendo as contas, Gleisi recebeu R$ 5,7 milhões das empreiteiras, o equivalente a 73% dos R$ 7,9 milhões arrecadados pela petista naquele ano.

    Detalhando os valores em 2010, Gleisi recebeu das seguintes empreiteiras e seus diretores: Camargo Correa (R$ 1 milhão), OAS (R$ 780 mil), UTC Engenharia (R$ 250 mil), CR Almeida (R$ 250 mil), Coesa Engenharia (R$ 220 mil), João Sanches Junqueira (R$ 170 mil), Antonio Sanches (R$ 170 mil), Paulo Francisco Tripoloni (R$ 170 mil), Cavalca Construções (R$ 100 mil), Construtora Central do Brasil (R$ 100 mil), Contax (R$ 100 mil), Alusa Engenharia (R$ 70 mil), Paranapanema (R$ 50 mil), Carlos Roberto Nunes Lobato (R$ 50 mil), José Maria Ribas Muller (R$ 50 mil), Cimento Itambé (R$ 50 mil), Brookfield Brasil (R$ 30 mil), Ecoplan Engenharia (R$ 25 mil), Arteleste Construções (R$ 25 mil), Fidens Engenharia (R$ 25 mil) e Enpa Engenharia (R$ 25 mil).

    Há mais um fato curioso nas prestações de contas de Gleisi. A construtora Sanches e Tripoloni e seus três diretores repassaram R$ 2,4 milhões nas duas campanhas da petista: R$ 510 mil em 2010 e R$ 1,9 milhão em 2014.

    A empreiteira foi responsável pela construção do Contorno Norte, em Maringá – obra suspeita de superfaturamento e investigada pelo TCU – e que custou R$ 412 milhões.

    Gleisi e Bernardo foram acusados ainda de usar o jatinho da empreiteira na campanha de 2010.

    Em maior volume, as doações das empreiteiras envolvidas no Petrolão se repetiram na campanha de Gleisi em 2014.

    A petista recebeu mais 7,7 milhões. Desse montante, Gleisi recebeu R$ 150 mil do Banco Pactual, agora listado na Operação Lava-Jato e mais R$ 200 mil da TV Técnica Viária Construções Ltda.

    O restante dos recursos foram doados pela Triunfo (R$ 2 milhões), Sanches e Tripoloni (R$ 1,9 milhão), Queiroz Galvão (R$ 475 mil), Andrade Gutierrez (R$ 950 mil), UTC (R$ 950 mil) e Galvão Engenharia (R$ 420 mil).



    Publicado por jagostinho @ 12:28



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.