Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 01mar

    FOLHA.COM

    Poucas vezes quatro senadores tucanos deram uma demonstração tão enfática de que sabem trabalhar juntos.

    Cassio Cunha Lima (PB) deu a ideia. Aécio Neves (MG) escreveu o cartaz: “Foi FHC”.

    José Serra (SP) sacou uma nota de R$ 2 do bolso. Estava amarfanhada.

    Tasso Jereissati (CE) tirou então uma cédula novinha da carteira e entregou-a ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

    FHC posou rindo para a fotografia, divulgada em seguida na internet como uma resposta irônica ao ataque sofrido há uma semana, quando a presidenteDilma Rousseff afirmou que a corrupção na Petrobras deveria ter sido investigada em seu governo.

    Foi, provavelmente, o momento mais leve do longo almoço em que o ex-presidente e a cúpula de seu partido no Senado discutiram os rumos do país. À mesa nesta sexta-feira (27), ainda que em tom ameno, os tucanos projetaram um cenário sombrio.

    Reprodução/Instagram/cassiocl_
    Imagem com o ex-presidente FHC publicada no Instagram pelo senador Cassio Cunha Lima
    Imagem com o ex-presidente FHC publicada no Instagram pelo senador Cassio Cunha Lima 

    “Daqui a seis meses, vamos sentir saudade da economia como está hoje”, afirmou Serra, segundo um dos presentes.

    FHC contou que esteve recentemente com o ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga e resumiu suas impressões, deixando no ar a sensação de que Fraga prevê um “colapso econômico”.

    Os tucanos chegaram a um consenso sobre os movimentos que pedem o impeachment de Dilma: defenderão as manifestações, mas sem envolver o partido.

    “Quanto mais populares, mais fortes serão os protestos”, opinou Aécio, segundo um participante do almoço.

    Serra e FHC manifestaram preocupação.

    Eles concluíram também que, em caso de impedimento da presidente, haverá cobranças para que o PSDB colabore com o novo governo.

    Na avaliação dos tucanos, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem procurado manter distância das medidas econômicas impopulares tomadas por Dilma e trabalha para reagrupar o movimento trabalhista, de olho nas eleições presidenciais de 2018.

    As investigações da Operação Lava Jato também foram debatidas no almoço.

    “Quando a lista for divulgada, será o começo do fim”, disse Serra, numa referência aos nomes dos políticos que deverão ser alvo de inquéritos.

    Para ele, o envolvimento de nomes de diversos partidos, somado ao desajuste econômico, engrossará o caldo de uma grave crise institucional.

    Na saída, Aécio disse aos repórteres que o partido não teme o envolvimento de nomes ligados ao PSDB no escândalo.

    No caminho para o carro, o mineiro posou para selfies com admiradores.

    Dentro do carro, Serra pegou seu telefone e postou outra mensagem irônica numa rede social, uma fotomontagem com o rosto de Fernando Henrique e a legenda: “Descoberto o líder da greve dos caminhoneiros… Foi FHC!”

    Reprodução/Instagram/_joseserra
    Imagem publicada no Instagram pelo senador José Serra (PSDB-SP)
    Imagem publicada no Instagram pelo senador José Serra (PSDB-SP)


    Publicado por jagostinho @ 17:44



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.