Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 22dez

    GAZETA DO POVO – ANDRÉ GONÇALVES, CORRESPONDENTE

    Pesquisa mostra que 59,8% dos paranaenses reprovam a gestão da petista. Cenário mais desfavorável havia sido logo após os protestos de 2013

    A presidente Dilma Rousseff encerra 2014 com o menor índice de aprovação entre os paranaenses desde que assumiu o 1.º mandato.

    De acordo com levantamento do Instituto Paraná Pesquisas, 34,9% dos moradores do estado aprovam a gestão da petista, 59,8% desaprovam e 5,29% não sabem ou não opinaram.

    Foram ouvidas 1.530 pessoas entre os dias 27 de novembro e 3 de dezembro e a margem de erro é de 2,5 pontos porcentuais para mais ou menos.

    Nas cinco sondagens anteriores feitas a partir de 2011, a aprovação mais baixa, de 41,05%, havia sido registrada em agosto de 2013, sob os efeitos das manifestações de junho.

    Os números indicam que os paranaenses estavam mais satisfeitos com a petista ao longo da primeira metade do mandato, quando a aprovação se manteve acima de 60%. O maior patamar, de 71,71%, foi alcançado em dezembro de 2012.

    A queda da aprovação se deveu, segundo o diretor do Paraná Pesquisas, Murilo Hidalgo, ao desgaste sofrido por Dilma durante a campanha eleitoral e, depois disso, pelo escândalo da Petrobras.

    Por último, ele ressalta o componente local do conflito entre ela e o governador do Paraná, Beto Richa (PSDB). “A imagem de que o governo dela perseguiu o Paraná colou.”

    Durante a campanha, Richa afirmou ser vítima de um boicote do governo Dilma nas negociações para a liberação de empréstimos que totalizavam R$ 1,9 bilhões e pelos baixos investimentos federais na comparação com outros estados.

    O discurso ajudou a consolidar a vitória expressiva de Aécio Neves (PSDB) no estado, com 60,98% dos votos válidos contra 39,09% da petista.

    Se o 2.º turno tivesse sido realizado no período da atual pesquisa, Dilma correria o risco de ter um desempenho ainda pior. Do total de eleitores que votaram nela, 11,63% disseram que não repetiriam a escolha.

    Dos que não votaram na petista, 4,34% declararam que mudaram de ideia.

    “O quadro atual está ainda mais difícil para a presidente do que na eleição porque ela está sem espaço nos meios de comunicação, enquanto é bombardeada pelas denúncias de corrupção na Petrobras”.

    “Durante a campanha, Dilma ainda contava com a exposição do horário eleitoral”, diz o cientista político da UFPR Ricardo Costa de Oliveira.

    Na comparação da sondagem do Paraná Pesquisas com o levantamento nacional do CNI/Ibope divulgado no dia 17 de dezembro, os paranaenses aparecem como menos satisfeitos com Dilma do que a média do país.

    Segundo a pesquisa CNI/Ibope, a aprovação dos brasileiros em relação à administração atual subiu de 48%, em setembro, para 52%, em dezembro.

    Para Hidalgo, a petista vai começar o 2.º mandato diante de um dilema: recuperar a imagem em estados como São Paulo e Paraná ou concentrar esforços onde é mais bem avaliada, como no Nordeste.

    “Não vai ser fácil, mas há caminhos. Ela vai precisar ser uma ‘Super-Dilma’, a presidente parceira dos prefeitos e do governador”, diz Hidalgo.

    Oliveira concorda, mas cita que tudo depende dos rumos da economia.

    “O índice de aprovação registrado no Paraná pode ser definido até como moderado. A questão da inflação, por exemplo, será decisiva para o que vai acontecer daqui para frente.”



    Publicado por jagostinho @ 14:37



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.