Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 08dez

    Do G1 PR, com informações da RPC TV Curitiba

    ‘Irresponsabilidade’, diz Fiep sobre pacote de reajustes de Beto Richa

    Assembleia Legislativa volta a analisar projetos de lei nesta segunda (8).

    Para reverter crise, Governo do Paraná quer aumentar impostos.

     

    O presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Edson Luiz Campagnolo, avaliou como uma irresponsabilidade o pacote de reajustes tributários proposto pelo governador Beto Richa (PSDB).

    Nesta segunda-feira (8), a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa volta a analisar os projetos de lei que foram apresentados pelo Executivo como um mecanismo para alavancar o caixa do estado.

    O conjunto de medidas, que ficou conhecido como “pacotaço”, envolve, por exemplo, o reajuste do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) em 40%, o aumento de 28% para 29% da alíquota do Imposto sobre a Circulação e Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre a gasolina, o reajuste das custas judiciais – proposto pelo Pode Judiciário –, o aumento do desconto da previdência no salário dos inativos.

    Diante da repercussão ruim, em especial, ao se considerar o impacto na composição do preço de alimentos da cesta básica, Richa anunciou que irá publicar um decreto para anular o aumentona alíquota de ICMS destes alimentos, além de manter a isenção do imposto para empresas enquadradas no simples.

    “O impacto sobre o consumidor, que é o primeiro afetado, é indiscutível. Ele é muito alto”, disse Campagnolo.

    Ele destaca que os salários dos trabalhadores não serão corrigidos na mesma proporção, e o peso do reajuste tributário será perceptível nas compras de bens de consumo imediato ou em outros setores como o de eletrodomésticos.

    Quanto ao setor industrial, de acordo com o presidente da Fiep, o impacto será entre 20% e 30%. Segundo Campagnolo, desde 2010, a receita do Executivo aumentou em mais de 50%, porém, as despesas subiram ainda mais.

    “Naquele período em que tudo estava indo muito bem, nada foi olhado no sentido de fazer os ajustes que o estado deveria fazer. Então, de certa forma, agora, trazer a conta para o consumidor, trazer a conta para a produção chega a ser uma irresponsabilidade”.

    Campagnolo acredita que as medidas sugeridas pelo Governo do Paraná vão na contramão da intenção de arrecadar mais.

    Ele argumenta que a minirreforma tributária feita, em 2008, pelo então governador Roberto Requião, implicou redução de impostos e tributos para 95 mil produtos.

    “O interessante é que a arrecadação, naquela oportunidade, em vez de cair, subiu. Tem uma lógica de que quando os impostos baixam, a arrecadação sobe. Então, aqui a gente está indo no contrassenso no sentido de arrecadar mais”, disse o empresário.

    Como consequência direta, Campagnolo acredita que as compras via internet devem subir e os estados vizinhos devem ser beneficiados.

    “A gente fala tanto em segurança jurídica e isso o que está acontecendo aqui é uma insegurança jurídica. Não só os novos estabelecimentos, os pequenos, médios e os grandes, fizeram planejamento tributário. Isso também vale para as indústrias. Quando você faz um movimento como esse, na ânsia de arrecadar mais, você, imediatamente, joga tudo isso no lixo”.

    Campagnolo fez uma associação entre a contabilidade das indústrias e a do poder público. Disse que em momento de dificuldade, deve-se se ajustar o caixa, cortando despesas ao invés de recorrer ao mercado.

    Também nesta segunda-feira, empresários têm uma reunião com o governador e com o presidente do Legislativo estadual, deputado Valdir Rossoni (PSDB). A intenção é convencê-los a não seguir com o “pacotaço”, pelo menos, neste momento.

    Para o Executivo estadual, as mudanças enviadas à Assembleia são essenciais. O Governo do Paraná argumenta que as alterações são necessárias para que os programas e investimentos propostos sejam cumpridos, dando maior efetividade e eficiência na prestação de serviços públicos.

    O governo pretende ter todas as medidas aprovadas antes do recesso parlamentar, no dia 17 de dezembro. Caso sejam aprovadas, os novos impostos entram em vigor em abril de 2015



    Publicado por jagostinho @ 16:58



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.