Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 09out

    G 1 – PR

     

    Alimentação em domicílio teve uma ligeira queda de preço em setembro, diz IBGE(Foto: Rede Globo)

    Alimentação em domicílio teve uma ligeira queda
    de preço em setembro, diz IBGE(Foto: Rede Globo)

    Nos últimos 12 meses, a inflação oficial em Curitiba, medida pelo Índice de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA), acumula alta de 7,13%.

    O percentual é o terceiro maior entre as capitais e também maior do que a média nacional de 6,75% – já acima do teto da meta do Banco Central de 6,5%.

    De acordo com o levantamento divulgado nesta quarta-feira (8), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em setembro, a inflação acelerou subindo 0,49% na capital paranaense. No mês anterior, o índice havia fechado em 0,08%.

    A variação de preço que mais pesou no bolso dos consumidores foi a ligada aos custos com habitação – a alta foi de 0,75%. O segundo segmento com maior variação foi o vestuário.

    No mês de setembro, os moradores de Curitiba pagaram 0,74% a mais pelos produtos do setor. A sandália/chinelo feminino foi o item com a maior variação de preço, 3,85%.

    Vale destacar ainda o reajuste de 0,69%, do setor de alimentação. Contudo, os preços da alimentação em domicílio teve uma ligeira queda de 0,04%.

    Segundo dados do IBGE, o preço da cebola, por exemplo, subiu 19,93%, e a carne, 1,87%. O quilo da carne de porco aumentou 9,5%, e o do patinho, 2,13%. O preço dos pescados foi reajustado em 1,04%.

    Já o contrafilé ficou 1,9% mais barato. Também ficou mais acessível o quilo do mignon, 0,47%, e da alcatra, 0,61%. Outros itens da alimentação tiveram redução significativa no preço. É o caso do ovo de galinha, que ficou 10% mais barato. 

    A pesquisa ainda menciona a variação de 0,67% nos preços do setor de saúde e cuidados pessoais; de 0,49% na educação; de 0,31% na comunicação; 0,23% no setor de transporte; 0,22% na área de artigos de residência; e redução de 0,12% no valor dos produtos relacionados às despesas pessoais.

    INPC

    Entre as pessoas com menor renda, de um a cinco salários mínimos, o Índice Nacional de Preço (INPC) em Curitiba ficou em 6,87% nos últimos doze meses. Assim como o IPCA ficou entre os mais altos do país.

    Em setembro, a inflação para a população nesta faixa de renda subiu 0,36%, sendo que o item habitação foi o que mais pesou – 2%. A alimentação também ficou mais cara para este grupo do que para quem ganha até 40 salários mínimos (inserido no IPCA).

    A variação foi de 0,97%.

    Publicado por jagostinho @ 16:28



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.