Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 26jul

    SITE DE  ROBERTO REQUIÃO

    por Nilton Oliveira, Paranaguá

                                                                                                                                       REQUIÃO EM PARANAGUÁ

    “Vamos devolver o Porto para as mãos dos paranaenses” disse o candidato durante encontro com as lideranças sindicais do município na tarde desta sexta feira (25)

    O candidato ao governo do estado Roberto Requião (PMDB) se comprometeu, na tarde desta sexta feira (25), a fazer uma varredura no Porto de Paranaguá para acabar com o inchaço de cargos de comissão.

    “Caso eleito, assumo o compromisso de, já no primeiro dia de mandato, fazer uma varredura e acabar com os cargos comissionados. É preciso dar um basta na mamata e no descaso que tem prejudicado o Porto, seus trabalhadores e toda a cidade de Paranaguá”, disse Requião durante encontro com lideranças sindicais do município.

    No encontro, que reuniu cerca de 150 representantes das categorias dos estivadores, guarda portuária, do bloco (serviços gerais), da amarração e do movimentadores de cargas, que trabalham no Porto, além dos metalúrgicos de Paranaguá, Requião foi enfático em denunciar a precarização das relações trabalhistas que o atual governo tem imposto aos mais de 4 mil trabalhadores portuários.

    “Esse processo de terceirização das várias atividades do Porto, iniciado por esse governo que está aí, tem um único objetivo: a privatização”, ressaltou o candidato.

    “Transformaram um bem público num negócio para favorecer os empreiteiros. Estão acabando com a guarda portuária apenas para agradar quem financia esse governo”.

    Porto para os paranaenses

    “É por isso que, trazendo um velho proverbio bíblico para os dias de hoje, afirmo: ou o governo serve aos trabalhadores ou serve aos seus financiadores de campanha. Do jeito que está aí, o porto está a caminho de ser vendido pra um bando de picareta”, continuou denunciando Requião, chamando os trabalhadores para abraçar junto com ele a luta para resgatar o porto.

    “Vamos peitar juntos essa briga e reverter tudo isso. Vamos devolver o porto para os paranaenses”, concluiu o candidato.

    Diversas lideranças sindicais fizeram questão de manifestar apoio as palavras de Requião.

    “Nossa preocupação é grande diante da violência desse governo atual com os trabalhadores do porto. Estamos abandonados. É por isso que queremos a volta do Requião, que sempre esteve lutando ao nosso lado quando foi governador”, disse Wilson, presidente do Sindicato dos Portuários.

    “No governo do Requião, tivemos a construção do Hospital Regional do Litoral, que infelizmente está parado em greve por culpa desse “desgoverno”.

    “Por isso, afirmo que Requião vai ter uma vitória esmagadora aqui em Paranaguá”, ressaltou o representante do Sindicato dos Estivadores, Jackson.

    Também presente no encontro, o prefeito de Paranaguá, Edison Kersten (PMDB), denunciou o descaso do governo com a cidade:

    “Nossa cidade é vítima da falta de investimentos que facilitem o acesso ao porto. Todos os dias, cerca de 5 mil caminhões trafegam por dentro da cidade, trazendo risco e prejudicando a população, tudo por causa da marginalização imposta por esse governo que aí está”, reclamou o prefeito, concluindo, “é para mudar tudo isso que estamos com Requião”, afirmou Edison.

    Após a reunião com sindicalistas, Requião participou de diversos programas de rádio e tv de Paranaguá.

    Durante a noite, participou da inauguração do comitê de campanha do filho Mauricio, que contou com a presença de centenas de lideranças do litoral.

    Publicado por jagostinho @ 09:32



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.