Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 25jun

    CLÓVIS ROSSICLÓVIS ROSSI é repórter especial e membro do Conselho Editorial da Folha, ganhador dos prêmios Maria Moors Cabot (EUA) e da Fundación por un Nuevo Periodismo Iberoamericano. É autor de obras como ‘Enviado Especial: 25 Anos ao Redor do Mundo’ e ‘O Que é Jornalismo’. 

    Gilberto Carvalho, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, deveria seguir seu próprio conceito e refazer sua avaliação sobre as causas da insatisfação que ele detecta com o governo.

    Na instigante entrevista a Natuza Nery, publicada nesta segunda-feira, 23, Gilberto diz: “Quando você não tem um bom diagnóstico, não tem um bom remédio”.

    Perfeito, Gilberto. Pena que você prefira disparar sobre o mensageiro (a mídia) como causa dos problemas do PT e do governo, em vez de procurá-la no próprio partido e nos fatos que ele gera.

    Comecemos com a corrupção, que, sempre segundo Gilberto Carvalho, “pegou” no partido. Culpa da mídia? Tolice.

    Basta recapitular o episódio do mensalão. Trata-se de um crime confessado –e confessado pelo líder supremo do partido, um certo Luiz Inácio Lula da Silva.

    Ajuda-memória a respeito:

    1 – O que fez o PT, segundo Lula? Fez o que todo o mundo faz, declarou o então presidente naquela famosa entrevista a uma jornalista-fantasma em Paris. E o que todo o mundo faz? Caixa 2.

    2 – O que é caixa 2? “Coisa de bandido”, definição não da mídia, mas do ministro da Justiça de Lula, o respeitado Márcio Thomaz Bastos.

    3 – Qual é o lugar de bandido? A cadeia. Logo, o que o Supremo fez –e a mídia registrou, como é devido– foi seguir até o fim a lógica da cúpula do próprio governo.

    Gilberto não nega “atos de corrupção” e até diz: “Doem primeiro a nós mesmos”.

    Deveria doer mais para que o PT iniciasse um processo de correção de desvios, em vez de ficar gritando, como o faz também o entrevistado, que não se dá o mesmo tratamento ao mensalão do PSDB nem se investigou a compra de votos para a aprovação da emenda da reeleição, no governo FHC.

    Esquece que: 1) Quem denunciou o esquema de compra de votos, se não a mídia, no caso a Folha? Se não houve investigação, a culpa é das instâncias políticas, não da mídia;

    2) todas as notícias sobre o mensalão do PSDB foram devidamente publicadas por esta Folha.

    Por fim, o suposto bombardeio sobre o governo Dilma, que teria origem num pensamento conservador, ampliado com ajuda da mídia.

    O “pensamento conservador” está muitíssimo bem representado no lulo-petismo (ou Henrique Meirelles, que tocou a política econômica nos oito anos de Lula, é um revolucionário? Ou os pastores das igrejas pentecostais que apoiam o governo são progressistas?).

    Que a mídia é conservadora não se discute. Mas acreditar que a maioria das pessoas –maioria, aliás, que nem lê jornais– forma sua opinião sobre o governo com base no que dizem os jornalistas é uma tremenda bobagem.

    Formam-na a partir do que sentem no seu cotidiano –tanto que, por se sentirem bem, deram a Lula índice inédito de aprovação, com ajuda da mídia que jamais escondeu os dados sobre redução da pobreza, por exemplo, ou sobre o prestígio do líder do PT.

    Entendo Gilberto, de todo modo: é mais fácil –e grátis– disparar sobre os mensageiros que corrigir problemas do partido ou do governo.

    Publicado por jagostinho @ 18:55



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.