Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 15jun

    elianeELIANE CANTANHÊDE , jornalista, é colunista da Folha. É também comentarista do telejornal ‘GloboNews em Pauta.

    Depois das vaias e xingamentos, Lula e Dilma deram uma aula de como fazer de um limão azedo uma bela limonada docinha. Ele é craque nisso, ela foi atrás.

    Na dúvida atroz entre ir ou não ir à abertura e ao jogo de estreia da Copa, Dilma ficou no meio do caminho: foi, mas sem discursar, acenar e nem mesmo aparecer. Ficou praticamente escondida num canto.

    Vieram as vaias, como já esperavam o Planalto e a sociedade. Mas vieram também os palavrões, que não estavam no script.

    A primeira reação foi contra Dilma: “onde ela vai, é vaiada”; “vai ficar trancada na campanha”; “colhe o que plantou”; “a reeleição já era”.

    As redes sociais, porém, amanheceram no dia seguinte recheadas de manifestações de desagravo, solidariedade e simpatia pela “presidente, pela mulher, pela mãe, pela avó”. E com o X da questão: tudo começou na área da elite endinheirada.

    De ré que merecia vaias pelo “mau humor e arrogância”, como desferiu Aécio Neves, Dilma evoluiu para vítima de xingamentos infames diante do mundo.

    Anti-dilmistas, até tucanos, engrossaram o coro de defesa da presidente-candidata.

    O episódio, que era para ser rapidamente esquecido pela campanha petista, passou, ao contrário, a ser potencializado por ela.

    Lula ofereceu uma fotogênica rosa branca à pupila ofendida e, de repente, admitiu que trouxera para o Brasil uma Copa “para ricos”.

    Dilma, sacou ele, era a única com cara de pobre (?!) no Itaquerão.

    Em menos de 24 horas, Aécio amenizou o tom, conforme a música da opinião pública, e passou a criticar os xingamentos.

    Com seu recuo, selou o êxito da estratégia lulista.

    Os gritos do Itaquerão deixam de ser limão contra Dilma, viram limonada a favor dela e reforçam o bordão dos “pobres contra os ricos”.

    Mas, se xingamentos devem ser condenados, vaias são manifestações legítimas e não são exclusivas da Copa e de ricos.

    Já viraram rotina.

    Publicado por jagostinho @ 09:32



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Uma resposta

WP_Cloudy
  • Antonio Disse:

    Jota bom dia. A indignação é uma forma surpreendente de análise de fatos e acontecimentos que mexem com nossa capacidade de análise padrão, e transforma a indignação em raiva, ódio, pela incapacidade de não podermos reagir. Assim é que se iniciou todas as revoluções até hoje encetadas, das mais amenas até as mais sangrentas. Todos, temos o nosso tempo de reação, independdentes, que costuman diluir-se com o passar do tempo, mas que retornarão com mais intensidade. O povo brasileiro vive nos dias atuais, a maior indignação da nossa história, nosso país atravessa nos dias atuais, um rio de incertezas, sem saber se aportara na outra margem. Um abraço

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.