Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 15jun

    repassando6

    COLUNA DE CELSO NASCIMENTO/GAZETA DO POVO

    O PMDB paranaense nunca passou por uma fase de tantas incertezas quanto à que atravessa agora.

    Com convenção marcada para o dia 20, isto é, na próxima sexta-feira, o partido ainda se vê engolfado por divisões internas que o impedem de definir o caminho a tomar.

    Essa indecisão levada à última hora não passaria de mais um daqueles espasmos internos naturais em qualquer partido se à sua superação não estivesse tão estreitamente vinculado o resultado das urnas de 5 de outubro.

    Os leitores já estão cansados de saber que o PMDB se bate há meses em torno de duas tendências principais – uma, a de lançar candidato próprio; outra, a de firmar aliança com o PSDB e lutar pela reeleição de Beto Richa.

    Abandonada a tentativa de dividir a convenção em duas rodadas – a primeira no dia 20 e a outra no dia 29 – já será nesta sexta-feira que os 598 delegados partidários vão decidir pelo voto qual dessas teses deve prevalecer.

    E então se saberá, mais do que o simples resultado de uma convenção, se a eleição para o governo estadual acontecerá em um ou dois turnos.

    Se os convencionais consagrarem a opção pela candidatura própria já imediatamente estará sinalizado que o senador Roberto Requião disputará o Palácio Iguaçu pelo PMDB.

    E, então, poder-se-á contar como inevitável que os eleitores paranaenses terão de votar duas vezes para decidir se o próximo governador será Beto Richa, Gleisi Hoffmann ou Requião.

    Além de Richa, principal interessado na disputa em turno único com a candidata petista, também a bancada de deputados peemedebistas luta pela mesma fórmula, mas por motivo um pouco diferente.

    Eles entendem que, sem a coligação com o PSDB e com Requião candidato ao governo, o PMDB será reduzido dos atuais 13 deputados para, no máximo, uma meia dúzia. Ou seja, estão empenhados em salvar a própria pele.

    No últimos dias, eles se dedicaram a caitituar pesadamente o ex-governador Orlando Pessuti – dono de um minoritário mas decisivo naco de votos.

    Desde sempre Pessuti brigou também pela própria candidatura. Mas percebeu que, no caso, não seria ele o escolhido para representar o partido, mas seu desafeto, Requião.

    Seu principal interesse passou, então, a ser o de evitar a vitória de Requião, desde que ele, Pessuti, não saia da peleja de mãos vazias.

    Richa tem lhe enviado emissários com ofertas desconhecidas; já os deputados tentam atraí-lo com a ideia de que poderá ser candidato “avulso” a senador ou, até mesmo, integrar a chapa de Beto Richa como seu vice.

    Pessuti ainda se finge de surdo às propostas. Prefere esperar pelo menos até a segunda-feira à noite, quando os deputados richistas se reúnem para fazer um balanço da situação.

    Como conhecem literalmente todos os delegados, vão contabilizar com quantos realmente podem contar. É provável que cheguem à conclusão de que os votos dos aliados de Pessuti sejam absolutamente vitais para evitar a vitória de Requião.

    Nesse caso, quanto maior o “aperto”, maior o valor com que Pessuti deverá ser recompensado. Por enquanto, o candidato a vice almejado pelos deputados é o colega Caíto Quintana, mas sua substituição por Pessuti, se necessário for, não está descartada.

    Enquanto isso, outras forças se movimentam na areia movediça da política paranaense. O empresário Joel Malucelli, de quem se dizia que poderia ser candidato a governador pelo PSD, estaria articulando para ser o vice de Richa.

    Desenvolve também articulações febris o deputado Ricardo Barros, presidente estadual do PP, ex-secretário da Indústria e Comércio.

    Ele pôs a mulher, a deputada Cida Borghetti, para comandar o Pros, e lançou o irmão Silvio Barros (ex-prefeito de Maringá) candidato a governador pelo PHS.

    Somados, os partidos comandados por Ricardo Barros (PP, Pros e PHS) representam um quinhão considerável de votos e de tempo na propaganda eleitoral.

    Eles não são suficiente para viabilizar a vitória de Silvio Barros, mas são cobiçados por Beto Richa para evitar estragos na sua campanha. É nisso que o pragmático operador Ricardo Barros enxerga a possibilidade emplacar sua mulher como vice.

    O jogo de xadrez ainda está em curso. Mandam nele os reis e rainhas, que tiram e põem seus pobres bispos, cavalos e peões na linha do sacrifício de conformidade com seus interesses particulares de aplicar o xeque-mate.

    Interesses que, não necessariamente, coincidem com os do Paraná.

    Publicado por jagostinho @ 16:08



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Uma resposta

WP_Cloudy
  • CLOVIS PENA Disse:

    Faltou comentar a possibilidade real de uma posição disciplinadora do diretório nacional do pmdb.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.