Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 12jun
    Neymar comemora a marcação do segundo gol brasileiro

    Neymar comemora a marcação do segundo gol brasileiro

    UOL ESPORTES

    Foram necessários 64 anos, 10 meses e 29 dias. Pelé surgiu, jogou, parou. Idem a outros ídolos do futebol brasileiro. O país conquistou cinco títulos mundiais.

    E nesta quinta-feira, 12 de junho de 2014, enfim o Brasil voltou a vencer um jogo de Copa do Mundo em casa. Mas foi sofrido – e muito.

    O Brasil bateu a Croácia por 3 a 1, no Itaquerão, com direito a gol contra em 10 minutos de jogo e Neymar decidindo. Graças ao camisa 10, o sonho do hexacampeonato em casa começa bem.

    Não que tanto tempo sem vitória em casa fosse tratado como algo que fosse influenciar o futebol de Neymar e cia. no gramado do Itaquerão.

    Mas desde os 6 a 1 sobre a Espanha, no dia 13 de julho de 1950, o povo brasileiro não assistia a um triunfo de seu país em uma Copa em casa. Isso acabou.

    Mesmo que de forma controversa: como no primeiro jogo do título em 2002, o Brasil saiu atrás e só virou com pênalti polêmico. Para diferenciar, o terceiro gol veio no final. Três pontos garantidos e um jogo a menos para a conquista da taça.

    As fases do jogo: Os primeiros 20 minutos de Copa do Mundo foram da Croácia. Duas chances criadas, um gol, e o Brasil sem conseguir criar uma chance sequer.

    Marcelo e Daniel Alves, os laterais, estavam nervosos. Olic, Modric e Rakitic aproveitaram. E a Croácia deu a impressão de que uma zebra na abertura poderia ocorrer.

    Mas aí surgiu Neymar. Enquanto David Luiz e Thiago Silva davam força a Marcelo, após gol contra, o Brasil começou a crescer no campo de ataque.

    Principalmente a dois nomes: Oscar, com bons passes ,e Neymar, em jogadas individuais. Foram elas que deram o Brasil o empate, no primeiro tempo, em lindo chute rasteiro do atacante, de canhota, de fora da área.

    E no segundo tempo, quando ele cobrou o pênalti da virada. A Croácia ainda tentou pressionar, mas sem resultado.

    O melhor: Neymar – Oscar foi muito bem. Não lembrou em nada o esmorecido jogador no amistoso contra a Sérvia. Por ele passou a bola nos principais lances da seleção – inclusive no gol de Neymar.

    Mas foi o camisa 10 que marcou o 1° gol do Brasil na Copa em casa. Que salvou o Brasil de uma derrota na abertura. Que se livrava da defesa croata para que os companheiros aparecessem livres no ataque.

    E que não sentiu a suposta pressão de, aos 22 anos, liderar o país a quebrar a “mística” dos 64 anos sem título mundial no Brasil. Se dizem que a estreia “é sempre complicada”, Neymar provou que, individualmente, não sentiu nada.

    A prova? O pênalti para a virada. 

    O pior: Daniel Alves – O lateral viu a Croácia criar todas suas chances pela lado direito da defesa brasileira. Aos 6 minutos de jogo, em suas costas, Olic surgiu para cabecear com perigo, no primeiro lance de perigo da Copa.

    Aos 10 min., o mesmo Olic fez tranquilo cruzamento para o lance que acabaria em gol contra de Marcelo. No ataque, nada produziu, destoando do resto do time: como, por exemplo, ao receber passe de calcanhar de Neymar – simplesmente deixou a bola sair pela lateral.

    A chave do jogo: O toque do técnico Felipão foi a chave do jogo: ele deu liberdade a Neymar. O camisa 10 pôde, então, se movimentar por todas as partes do campo. Com Hulk e Fred sumidos, Neymar foi atacante e meia. E ele gosta disso: 

    Para lembrar:

    O Brasil, em 19 edições de Copa do Mundo, jamais havia feito um gol contra. A marca foi encerrada logo aos 10 minutos do jogo de abertura, quando Marcelo desviou para o gol brasileiro bola cruzada por Olic.

    O gol permitiu a Croácia jogar mais recuada, o que dificultou a tentativa de pressão brasileira – o posicionamento defensivo croata foi muito bem feito -, tanto que a virada saiu de um pênalti controverso.

    O lado direito brasileiro precisa prensar em uma solução para a marcação fraca de Daniel Alves.

    Um dos dois jogadores que tiveram sua titularidade contestada em algum momento da preparação (Oscar o outro), Daniel Alves teve atuação defensiva abaixo da média – Olic deitou   rolou pela ponta esquerda croata – e nada criou no campo ofensivo.

    Fred e Hulk destoaram de Neymar, deixando o ataque brasileiro como de um homem só. Fred só apareceu quando sofreu o pênalti marcado pelo árbitro japonês, e Hulk só quando resolveu ajudar na defesa.

    BRASIL 3 X 1 CROÁCIA

    Data: 12 de junho de 2014
    Horário: 17h00 (de Brasília)
    Local: Itaquerão, em São Paulo (SP)
    Árbitro: Yushi Nishimura (JAP)
    Assistentes: Toru Sagara e Toshiyuki Nagi (JAP)
    Cartões amarelos: Neymar, aos 25 min. do 1°t (Brasil); Corluka, aos 19 min. do 2°t, e Lovren, aos 28 min. do 2°t (Croácia)
    Gols: Marcelo (contra), aos 10 min. do 1°t (Croácia); Neymar, aos 28 min. do 1°t e aos 25 min. do 2°t, e Oscar, aos 45 min. do 2°t (Brasil)
    Público: 62.103 pessoas

    BRASIL: Júlio César; Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e Marcelo; Luiz Gustavo, Paulinho (Hernanes, aos 17 min. do 2°t) e Oscar; Neymar (Ramires, aos 43 min. do 2°t), Hulk (Bernard, aos 23 min. do 2°t) e Fred
    Técnico: Luiz Felipe Scolari

    CROÁCIA: Pletikosa; Srna, Corluka, Lovren e Vrsaljko; Perisic, Kovavic (Brozovic, aos 15 min. do 2°t) , Rakitic e Modric; Olic e Jelavic (Rebic, aos33 min. do 2°t)
    Técnico: Niko Kovac

    Publicado por jagostinho @ 19:05



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.