Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 07mar

    VALE A PENA REPASSAR, TANTO PELA QUALIDADE DO TEXTO COMO PELA VERDADE ABRANGENTE.

    EU DISSE ABRANGENTE, NÃO INFRINGENTE! 
      
    ATÉ QUE ENFIM ALGUÉM EXPRESSOU O NOJO  E A INDIGNAÇÃO QUE AS PESSOAS DE BEM DESSE PAÍS SENTEM, AO CONTRÁRIO DA FESTA QUE DEVEM ESTAR FAZENDO AQUELES QUE SE PERDERAM DA HONRA, DA MORAL E DA ÉTICA.

    O AUTOR NÃO NOMEIA O DESTINATÁRIO, MAS PRECISA?

    ENCAMINHANDO 
      

      
      

    TOGADO

     

    DIGNÍSSIMO PATIFE 

    Pelo presente instrumento, venho dirigir-me a vossa excelência.

    Com minúsculas e na segunda pessoa, pessoa de segunda que és, mauricinho de nariz empertigado.

    Tu, que te ocultas, sorrateiro, por trás dessa impecável e pretíssima toga de bosta. 
      
    Tu que recebes aprumado a reverência do país de joelhos à espera de tuas soberanas e irretocáveis decisões peremptórias. 
      
    Tu que estás imbuído da divina prerrogativa, intransferível e vitalícia, de julgar e decidir o destino dos homens que habitam o mun­do dos vivos, já que o dos mortos foge à tua jurisprudência, instância suprema à do teu supre­mo. 
      
    Embora nutras anseios em manter paridade e equiparação divina com Aquele que exerce tal competência.

    Tu, cordeiro em pele d’urso, que reclamas indignamente indignado por direitos inalienáveis e vives na intimidade inescrutável da tua vida pri­vada de tramoias inconfessáveis.

    Tu mesmo, nobre calhorda, que de tanto exercer o ofício de julgar os outros, julgas-te acima dos outros. 
      
    Venho oficiar-te, honorável patife, que há mais retidão e honra na palavra espontânea e honesta que brota do coração de um humilde iletrado do que no alfarrábio que sustém tuas áridas, infindáveis, mirabolantes e ordinárias sentenças.

    As mesmas que revestes, impávido, em capa dura, fazendo-as constar com letras doura­das dos anais que ostentas nas prateleiras intermináveis onde expões tua soberba grandiloquência farisaica e tua rocambo­lesca sapiência estéril. 
      
    Amealhas com vileza recursos tomados do povo injustiçado para manter intacto esse intrincado e indecifrável sistema, tão inócuo quanto iníquo, que qualificas cinicamente de Justiça, a fim de cobrir com aura de magnificência e infalibilidade essa espeta­culosa e suntuosa pantomima patética e embusteira a fim de deixar boquiabertas as legiões dos sem-justiça desse país, mantendo­-os sob o jugo do teu julgar. 
      
    Cultivaste esse interminável cipoal de leis, decretos, normas, códigos, tratados, regimentos, resoluções, regula­mentações, pareceres, dispositivos, medidas provisórias e embargos infringentes, para reservares a ti próprio o monopólio do conhecimento e das práticas a ti outorgadas (adivinha!) “por lei”, afastando o povaréu “abestado” de teu demarcado territó­rio.

    Para que, na mesma medida em que amplias a doutrina do direito, reduzas o primado da justiça. 
      
    Sai da tocaia, egrégio velhaco. Desce desse palácio de letras, capítulos, parágrafos, alíneas, incisos, caputs e cláusulas em que te enclausuras.

    Cumpre salientar, excelentíssimo pústula, que as ruas, caso não observes do palácio que construíste, sem decurso de prazo, para te isolares da re­alidade de fato e de direito, estão repletas de malfeitores que pomposamente livrastes das masmorras.

    Não por um senti­mento benevolente de perdão ou por uma crença abnegada no poder de recuperação humana mas por um displicente pragmatismo jurídico. 
      
    Delinquentes de toda a es­pécie a quem remistes da pena, hoje libertos de punição, em uníssono, zombam, sob tua retumbante indiferença, dos tolos que se pautam em princípios e honradez. 
      
    Sob o manto do teu garganteado “estado de direito”, ca­nalhas, corruptos, patifes, ladrões de todas as espécies ascenderam aos postos de direção com a tua serena condescendência.

    Mais: com a tua cruel cumplicidade. São estes que tratas com a mais alta leniência, amparando-os com a força irrefutável da lei, draconiana indulgência e into­lerância zero. Cobrindo a impunidade com o manto legalista da imu­nidade. 
      
    Todo teu empenho é de não punir. Inocentes ou culpa­dos, pouco importa. “In dubio pro reo”, desde que teus honorá­rios sejam quitados “in specie” com correção, exatidão, integri­dade e… justiça. 
      
    E assim, por todos os pretextos, vais libertan­do das grades todos os poderosos tubarões, reservando os horrores dos calabouços aos despossuídos que não participam do pecúlio que sustenta a devassidão moral que apadrinhas, consagrando esse país como o paraíso da impunidade. 
      
    Os princípios de retidão e civilidade estão dentro de nós (e fora de ti). Num mundo de justos, tua justiça não se ajusta. 
      
    E aí, bonitão? Vais me encarar? Vais engrossar? Pra cima de moi, doutorzinho? Não gostaste?

    Indicia-me por desacato, perjúrio, injúria, o cacete. Apresenta queixa-crime por difa­mação, filho da mãe.

    Colocas-me na prisão. Faz um arresto dos meus bens.

    Pois não vou ficar calado ante tua sacripanta e rocambolesca farsa. 
      
    Data vênia, vai pra p (*) que te pariu. 
      

    Sergio Sayeg
    www.oquedemimsoueu.blogspot.com.br
      
      
    Brasileiro, não se acomode.

    Precisamos acabar com a “República da farra, da farsa, do cinismo e do deboche”, em que se transformou o nosso querido Brasil. 

    Publicado por jagostinho @ 10:34



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Uma resposta

WP_Cloudy
  • Antonio Disse:

    Boa tarde.De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantar-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e ter vergonha de ser honesto. Rui Barbosa
    Será que os juristas leram, alguma vez na vida o que está escrito acima? Um abraço.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.