Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 20fev

    DAS AGÊNCIA INTERNACIONAIS

    Pelo menos 25 pessoas morreram no centro de Kiev, capital da Ucrânia, após confrontos entre manifestantes antigoverno e as forças de segurança, informaram o Ministério do Interior e da Saúde da Ucrânia, na manhã desta quarta-feira (19).

    O governo do contestado presidente Viktor Yanukovich denunciou uma tentativa de golpe de estado e abriu uma investigação, e a União Europeia ameaçou impor sanções aos responsáveis pela violência.

    Entre os mortos, 9 são policiais, segundo o Ministério da Saúde.

    Outras 241 pessoas foram hospitalizadas durante os confrontos, entre elas 79 policiais e 5 jornalistas.

    Os enfrentamentos continuaram ao longo da madrugada na Praça da Independência (Maidan), que seguia cercada pela polícia.

    Na manhã desta quarta, manifestantes e policiais permaneciam frente a frente, separados por uma cortina de fogo, em um cenário de devastação.

    As barracas instaladas no local pegaram fogo, assim como vários andares da Casa dos Sindicatos, quartel-general dos manifestantes em Maidan.

    O hospital Medichna Varta informou sobre a morte do jornalista Viacheslav Vereméi, do jornal local “Vesti”. Ele teria sido morto com um tiro.

    VEJA GALERIA DE FOTO

    Na noite de terça, manifestantes antigoverno invadiram prédios governamentais em algumas cidades do oeste da Ucrânia, informaram a imprensa local e a polícia.

    Segundo a Reuters, sedes administrativas em Ivano-Frankivsk e em Lviv foram tomadas, assim como uma delegacia de polícia em Ternopil.

    O parlamentar oposicionista Oleksander Aronets disse que manifestantes também tomaram o escritório do procurador-geral de Ternopil. Eles “queimaram todos os casos contra os heróis ucranianos”, disse o parlamentar em seu perfil do Facebook.

    19/2 - Jovens atiram pedras contra a polícia, com diversas garrafas de coquetel molotov preparadas no chão, na Praça da Independência, em Kiev (Foto: Vasily Fedosenko/Reuters)
    Jovens atiram pedras contra a polícia, com diversas garrafas de coquetel molotov preparadas no chão, na Praça da Independência, em Kiev (Foto: Vasily Fedosenko/Reuters)
    19/2 - Praça da Independência em Kiev é vista transformada em cenário de guerra durante confrontos na manhã desta quarta-feira (19) (Foto: Olga Yakimovich/Reuters)
    Praça da Independência em Kiev é vista transformada em cenário de guerra durante confrontos na manhã desta quarta-feira (19) (Foto: Olga Yakimovich/Reuters)

     

    Ativista antigovernamental em confronto com a polícia na Praça da Independência, em Kiev. (Foto:  Sergei Supinsky / AFP Photo) 
    Ativista antigovernamental em confronto com a polícia na Praça da Independência, em Kiev. (Foto: Sergei Supinsky/ AFP Photo)

    O presidente Yanukovitch esteve reunido com o oposicionista Vitali Klitschko na noite desta terça, mas, segundo o ativista, as tentativas de diálogo falharam ao tentar encontrar uma solução pacífica para o conflito.

    “Infelizmente eu não trago nenhuma boa notícia das conversas”, disse Klitschko, segundo o site Ukrainska Pravda.

    De acordo com o oposicionista, a conversa acabou após o presidente exigir que a Praça da Independência, usada pelos manifestantes em Kiev, fosse incondicionamente esvaziada.

     

    Conflitos ocorreram ao longo da madrugada desta quarta-feira (18). (Foto: Sergei Supinsky / AFP Photo)
    Conflitos ocorreram ao longo da madrugada desta quarta-feira (18). (Foto: Sergei Supinsky / AFP Photo)

    As manifestações contra o governo começaram em novembro, depois que o presidente cedeu à pressão da Rússia e desistiu de um tratado comercial com a União Europeia (UE), preferindo a ajuda financeira do Kremlin, principal aliado de Kiev.

    Repercussão

    A Rússia denunciou uma “tentativa de golpe de Estado”, acusou os ocidentais de incitarem a revolta e afirmou que vai continuar com a política de “não-interferência” nos assuntos ucranianos.

    A União Europeia acenou com “sanções individuais” e chamou uma reunião extraordinária dos chanceleres do bloco para esta quinta-feira.

    O ministro alemão das Relações Exteriores, Frank-Walter Steinmeier, alertou para a possibilidade de sanções europeias. O chanceler francês, Laurent Fabius, também falou em sanções “prováveis”.

    O primeiro-ministro polonês Donald Tusk considerou que a Ucrânia está ameaçada por uma “guerra civil”, com consequências para a segurança e a estabilidade de toda a região.

    A alta comissária de Direitos Humanos da ONU, Navi Pillay, pediu moderação e também uma investigação sobre o possível uso excessivo de força contra os manifestantes.

    ‘Tomada ilegal do poder’

    Os serviços especiais ucranianos anunciaram a abertura de uma investigação por tentativa de tomada ilegal do poder depois dos confrontos.

    A investigação, sobre “alguns políticos”, que não são citados, será centrada em “ações políticas ilegais para a tomada de poder”, afirma um comunicado dos serviços secretos (SBU).

    Luto nacional

    O presidente Yanukovitch decretou a quinta-feira como dia nacional de luto em homenagem aos mortos.

    As bandeiras serão hasteadas a meio-mastro nos prédios públicos e serão cancelados os eventos e competições esportivas, segundo o decreto publicado pela presidência.

     

    18/2 - Manifestantes colocam fogo em barricada durante confronto próximo ao monumentos aos fundadores de Kiev. (Foto: Efrem Lukatsky/AP) 
    Manifestantes colocam fogo em barricada durante confronto próximo ao monumentos aos fundadores de Kiev (Foto: Efrem Lukatsky/AP)
    Praça da Independência foi protegida por ‘barricada de fogo’. (Foto: Sergei Supinsky / AFP Photo)
    Praça da Independência foi protegida por ‘barricada de fogo’. (Foto: Sergei Supinsky / AFP Photo

    Publicado por jagostinho @ 08:32



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.