Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 17dez

    BANDA B

    Michelotto participou ao vivo da Banda B (Foto: Antônio Nascimento – Banda B)

    Michelotto participou ao vivo da Banda B (Foto: Antônio Nascimento – Banda B)

    “Se o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado ) tiver alguma prova concreta contra minha pessoa eu quero ser algemado e colocado atrás das grades sem nenhuma regalia”.

    A declaração do ex-delegado-geral da Polícia Civil, Marcus Vinícius Michelotto, aconteceu nesta segunda-feira (16) ao vivo no Programa Luiz Carlos Martins, daRádio Banda B.

    O policial civil está revoltado por ter ficado quatro dias detido após um pedido de prisão temporária por parte do órgão filiado ao Ministério Público do Paraná, sob a suspeita de envolvimento com jogos de azar.

    Para Michelloto, o Gaeco se pautou em informações de policiais marginalizados que realizaram uma operação fora dos padrões na Mansão do Parolin.

    “A intenção dos promotores é atacar o Governo do Estado e, para isso, usaram o meu nome. Esses policiais que fizeram a operação simplesmente torturaram e roubaram quem estava no local. O crime de contravenção tem que ser combatido, mas não com tortura e roubos de equipamentos”, afirmou.

    Segundo o ex-delegado-geral, essa ação também teve a motivação de colocar no lixo os 20 anos de sua carreira como policial.

    “Com exceção de um grupo que é pautado pelo Gaeco, os demais veículos com certeza não engoliram essa história e tem procurado saber a verdade”, disse o delegado, destacando que uma primeira investigação feita por um delegado ligado ao órgão havia o inocentado.

    “Motivados por questões políticas os promotores afastaram quem investigava e realizaram um pedido de prisão tomando base apenas relatórios de policiais militares e depoimentos de policiais marginalizados”, garantiu.

    Por fim, o ex-delegado-geral desafiou o promotor Leonir Batistti, chefe do Gaeco.

    “Quando fui preso eu olhei no olho dele e disse que queria fazer um acordo. Se ele encontrar um fato concreto contra minha pessoa aceito ser preso, algemado e colocado em um presídio sem qualquer regalia. Caso contrário quero que o Gaeco venha a público esclarecer e limpar meu nome. Já estou com os melhores advogados e vou atrás dos meus direitos, prometendo que o ressarcimento doarei para quem precisa”, concluiu Michelotto.



    Publicado por jagostinho @ 10:33



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.