Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 17dez

    ESTADÃO

    Coqueluche: Grávidas poderão ser imunizadas contra a doença no ano que vem

    Coqueluche: Grávidas poderão ser imunizadas contra a doença no ano que vem (Jupiterimages/Thinkstock)

    O Instituto Butantan vai produzir uma versão da vacina contra a coqueluche que permitirá a imunização de grávidas.

    De acordo com a Secretária Estadual da Saúde de São Paulo, cerca de sete milhões de mulheres deverão ser beneficiadas em 2014 pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

    Atualmente, a estratégia de prevenção da coqueluche é baseada na imunização de crianças.

    São três doses da vacina pentavalente (que protege também contra difteria, tétano, Haemophilus influenza tipo B e hepatite B), aplicadas a partir de dois meses.

    A última dose é dada aos oito meses de vida.

    Segundo o Ministério da Saúde, a vacina aplicada em crianças é eficiente, mas o aumento do número de casos de coqueluche no ano passado colocou em dúvida a durabilidade da proteção.

    A hipótese é a de que a vacina perde a eficácia com o passar dos anos, deixando os adultos mais vulneráveis e mais propensos a passar o vírus para as crianças que ainda não estão completamente protegidas contra a doença.

    A vacinação de mulheres contra a coqueluche durante a gestação oferece proteção ao bebê e promove a redução de casos e óbitos pela doença nas crianças menores de seis meses de idade.

    A imunização de gestantes poderá contribuir tanto para a diminuição da transmissão da doença para o lactente quanto para oferecer proteção indireta nos primeiros meses de vida.

    A nova vacina será produzida graças a um acordo para transferência de tecnologia firmado com a multinacional de soluções terapêuticas GlaxoSmithKline (GSK) para a produção no Brasil de um componente acelular do imunobiológico.

    Transmissão — A coqueluche é transmitida principalmente pelo contato com gotículas de secreção eliminadas ao tossir, falar e espirrar.

    A doença, transmitida por bactéria, apresenta como primeiros sintomas catarro, febre baixa, espirro, falta de apetite e tosse noturna. Se não tratada, ela pode levar à morte.

    Em fevereiro deste ano, o Ministério da Saúde fez um alerta sobre a situação da doença no país.

    Segundo a pasta, a prevalência da condição dobrou em 2012, quando foram registrados 4 453 casos da doença — no ano anterior, foram 2 258.

    As mortes decorrentes do problema também aumentaram de 53 em 2011 para 74 no ano passado.



    Publicado por jagostinho @ 18:57



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.