Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 12dez

    UCHO.INFO – A MARCA DA NOTÍCIA

    eduardo_gaievski_04Milton Andreolli (PT), prefeito de Realeza, continua operando abertamente para protegerEduardo Gaievski, ex-assessor pedófilo de Gleisi Hoffmann, preso desde agosto por 26 estupros cometidos contra menores, alguns deles contra vulneráveis.

    Nesta quarta-feira (11), Andreolli deveria depor como testemunha de defesa de Gaievski, mas alegou prerrogativas de foro para não comparecer à audiência.

    O adiamento foi visto como mais uma manobra para proteger o monstro da Casa Civil e reforçou a decisão da bancada oposicionista na Câmara de Realeza de abrir processo de cassação do mandato do petista.

    As manobras do prefeito para proteger Eduardo Gaievski estão se tornando um escândalo à parte.

    Andreoli concedeu licença de dois anos para o secretário municipal da Administração, Fernandes Borges, preso quando subornava vítimas para que mudassem depoimentos sobre os estupros cometidos pelo delinquente sexual.

    Fora isso, o prefeito não demitiu Edmundo Rafael Gaievski, o Fafo, irmão do pedófilo e motorista da prefeitura, apesar de o mesmo estar foragido há mais de quarenta dias, também acusado de subornar e intimidar vítimas e testemunhas contra o pedófilo.

    O caso mais escandaloso do uso da máquina pública, pelo prefeito, para proteger o pedófilo é o do aposentado João Pontes, avô de uma das vítimas.

    Ele afirma ter sido ameaçado para deixar um terreno da prefeitura, onde residia há anos, caso as declarações de sua neta – que foi estuprada por Gaievski – não fossem retiradas do processo.

    Pontes morava com a mulher e dois filhos há nove anos no Viveiro Municipal, em Realeza, e foi instruído, em 3 de setembro, pelo secretário de Administração da prefeitura, Fernandes Borges, a convencer a neta a retirar a denúncia contra o ex-prefeito.

    Diante da negativa, foi notificado pelo próprio Milton Andreolli para desocupar em no máximo trinta dias o imóvel.

    As relações entre o prefeito e Gaievski são antigas e derivam para o campo familiar.

    Sucessor de Gaievski, o atual prefeito foi secretário municipal da Saúde durante sete anos e chefe de gabinete no último ano do mandato do pedófilo.

    O filho de Gaievski, André Willian Szpak Gaiveski, que também está preso por intimidar testemunhas, namora a filha de Andreolli.

    Todas essas ligações, na visão dos vereadores de Realeza, não podem justificar o escancarado e ilegal uso da máquina municipal para defender um criminoso.

    Os vereadores estão reunindo provas para fundamentar um eventual processo de cassação do mandato de Milton Andreolli.



    Publicado por jagostinho @ 10:26



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.