Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 04dez

    camara-dos-deputados-eleicao-20130204-07-size-598

    FOLHA.COM

    A Câmara dos Deputados aprovou, na noite desta terça-feira (3), um projeto de resolução que altera o regimento interno da Casa para acabar com a possibilidade de voto secreto em processos de perda de mandato e de vetos presidenciais.

    Na semana passada, o Congresso promulgou a emenda constitucional que elimina o voto secreto nos casos citados. No entanto, ainda havia a possibilidade de votação secreta no regimento interno da Casa.

    Após a votação, o segundo secretário da Mesa, Simão Sessim (PP-RJ), promulgou a resolução.

    Para o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), a mudança não era necessária, mas é uma garantia contra possíveis contestações.

    O projeto foi apresentado pela cúpula da Câmara após a verificação de que o regimento ainda previa a possibilidade do voto secreto.

    Durante a discussão, o PT tentou incluir no projeto o fim do voto secreto para a eleição da Mesa Diretora da Casa.

    No entanto, o relator da matéria, Eliseu Padilha (PMDB-RS) rejeitou a proposta por considerá-la uma manobra inconstitucional.

    Para o líder do PR, Anthony Garotinho (RJ), o voto aberto na eleição da Mesa aumentaria a pressão sobre os parlamentares.

    “Se houver voto aberto para eleição da Mesa, vamos ter interferência externa. Não vamos ter, nunca mais, eleição isenta para presidente da Câmara, tamanha a pressão que será feita no Plenário”, disse.

    Deputados do PT reclamaram da derrota e pediram “transparência total”. “Queremos voto aberto para tudo”, disse Sibá Machado (PT-AC).

    Simão Sessim aproveitou a discussão para lembrar que a Casa tem processos disciplinares que deverão ser votados com a nova regra em breve.

    É o caso da perda do mandato do deputado preso Natan Donadon (sem partido-RO), que cumpre pena no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, e já teve o mandato preservado neste ano, e o processo de suspensão de mandato do deputado Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO).

    Além deles, os deputados condenados no processo do mensalão Valdemar da Costa Neto (PR-SP), João Paulo Cunha (PT-SP) e Pedro Henry (PP-MT) também poderão passar pelo crivo dos colegas em um eventual processo de perda de mandato.



    Publicado por jagostinho @ 09:12



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.