Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 26out

    repassando6

    Delúbio Soares (*)

    Dados divulgados pela Anatel informam que o Brasil já possui 268 milhões de telefones celulares. Isso significa que chegamos à impressionante média de 135,36 celulares por cada 100 habitantes.

    Apenas entre os meses de julho e agosto, mais 1,5 milhão de telefones celulares foram habilitados em todo o território nacional.

    A cada dia mais brasileiros se conectam e se incorporam de forma direta ao mercado da comunicação via telefônica.

    Os celulares pré-pagos representam 212 milhões de linhas em operação, enquanto os pós-pagos chegam aos 56 milhões.

    Cabe destacar que os números pós-pagos aumentam sua representatividade na mesma proporção em que os pré-pagos diminuem a velocidade de crescimento.

    Isso mostra mais pujança econômica e poder de compra. A participação do pré-pago teria caído para 78,78% enquanto a participação do pós-pago (um telefone que é mais utilizado) já passou dos 20% do total e tende a crescer mais.

    Esses números portentosos, que mostram a força da telefonia celular no Brasil, já são o suficiente para contestar as altíssimas tarifas cobradas pelas empresas operadoras.

    Lamentavelmente, nosso país é aquele que apresenta a mais cara tarifa de chamadas de celular em todo o mundo, levando-se em conta os dados absolutos. Foi o que constatou a União Internacional de Telecomunicações (UIT) em seu informe anual sobre o setor.

    Em números relativos e levando-se em conta, também, as tarifas de telefonia fixa e as da internet, continuamos tendo um desempenho lamentável: dos 161 países que foram avaliados por aquele respeitado organismo, o Brasil ocupa a 93ª posição.

    Em resumo: há 92 países – alguns bem menos desenvolvidos que nós – com tarifa muito mais barata, como o Peru, a Colômbia, etc…

    Aquele estudo demonstra que, levando-se em conta a média internacional, um minuto no celular em horário de maior utilização, custaria US$ 0,71 entre chamadas realizadas por uma mesma operadora.

     Esse mesmo indicador comprova que os brasileiros estão penalizados por uma taxa que sobe para US$ 0,74/minuto em chamadas realizadas entre operadoras diferentes.

    Somente países bastantes menos desenvolvidos que o Brasil praticam tarifas mais caras que as nossas (ou aceitam que as empresas operadoras celulares as cobrem): Bulgária, Malawi e Nicarágua, por exemplo.

    As surpreendentes revelações do relatório anual do mais respeitado organismo mundial do setor de telecomunicações são eloquentes, especialmente em se tratando do custo da telefonia celular para o usuário brasileiro:

    ele paga três vezes mais que o usuário norte-americanos; cinco vezes mais caro que o espanhol; três vezes mais que o português e  esse custo chega a setenta vezes mais do que os habitantes de Hong-Kong pagam por um minuto de ligação celular: US$ 0,01 contra US$ 0,70 cobrados pelas insaciáveis operadoras aos usuários brasileiros.

    Parece mentira, ou fantasia, mas é a mais pura expressão da realidade.

    No relatório da UIT o Brasil é o 62º dos países mais aptos à utilização das tecnologias digitais e de informação.

    É ainda muito pouco, já que o Azerbaijão, Croácia, Arábia Saudita, Chile, Líbano e outros países menos desenvolvidos que o nosso estão em posições mais avançadas no computo geral.

    Em 2012, após os 10 profícuos anos dos governos de Lula e Dilma, o Brasil atingiu pela primeira vez a significativa marca de contar com mais da metade de sua população com acesso e utilização da internet e 50% dela com computadores em suas residências.

    O crescimento tem sido de 5% anuais, em média.  Desses, cerca de 10% utilizam a banda larga, apesar dos esforços do governo em popularizar a internet de alta velocidade.

    A responsabilidade, novamente, é das operadoras de telefonia que praticam tarifas exorbitantes e, assim, claramente conspiram contra o desenvolvimento econômico e social do país, atingindo a classe média e os trabalhadores.

    Nos países desenvolvidos e em alguns em desenvolvimento (igual condição a do Brasil), essa utilização da banda mais rápida chega até os 30% da população.

    Impossível dissociar o progresso nacional, uma educação mais efetiva, uma economia mais arrojada e dinâmica, além de um país melhor posicionado no cenário mundial, da comunicação democratizada e com justo valor, sem que as tarifas dos celulares e da internet sejam corretas e acessíveis aos usuários de todos os segmentos sociais, especialmente as dezenas de milhões de integrantes das classes C, D e E, os que verdadeiramente tocam adiante o Brasil e constroem a grandeza da Nação.

    Essa é uma luta que se impõe aos usuários e um dever das autoridades federais e organismos reguladores.

     

    Delúbio Soares é professor (*)

    www.delubio.com.br

    www.twitter.com/delubiosoares

    www.facebook.com/delubiosoares

    [email protected]

    Publicado por jagostinho @ 18:51



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.