Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 15out

    ESTADÃO
    O ex-deputado federal Roberto Jefferson (PTB-RJ)

    O ex-deputado federal Roberto Jefferson (PTB-RJ)diz sofrer de síndrome metabólica (Leonardo Wen/Folhapress)

     

    O ex-deputado federal Roberto Jefferson foi o primeiro réu do mensalão a entregar recurso nesta fase final do processo. O mensaleiro voltou a pedir ao Supremo Tribunal Federal (STF) o perdão judicial.

    A prisão, argumentam seus advogados, pode se transformar “em uma verdadeira pena de morte” para Jefferson.

    Condenado a 7 anos e 14 dias pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, Jefferson afirma ser portador de síndrome metabólica, quadro caracterizado por diabetes, alto nível de gordura no sangue, hipertensão arterial e histórico de obesidade.

    Os advogados também citam que, em 2012, Jefferson passou por tratamento para combater um câncer no pâncreas.

    Desde então, o ex-parlamentar toma remédios para diabetes, para pressão e suplementos vitamínicos.

    “Ressaltamos que o uso diário das medicações prescritas assim e o acompanhamento médico regular pela equipe assistente são fundamentais para a manutenção da estabilidade clínica do paciente, sob o risco de agravamento potencialmente de seu quadro de saúde”, afirmam os médicos que o atendem.

    O novo recurso de Jefferson é o primeiro da leva de embargos que o presidente do STF, Joaquim Barbosa, afirmou que seriam meramente protelatórios.

    Os recursos devem ser rejeitados, o que abrirá caminho para a prisão imediata de Jefferson e outros doze condenados que não têm direito a novo julgamento.

    Jefferson afirma que suas declarações à época da revelação do escândalo do mensalão foram fundamentais para a descoberta do esquema e a consequente punição dos envolvidos.

    Por isso, sua pena foi reduzida em um terço. A defesa sustenta que, em razão de sua ajuda, a punição poderia ser perdoada ou reduzida em pelo menos dois terços.

    “Não há qualquer razão para que não se tenha ofertado ao embargante o perdão judicial nos moldes previstos pela própria Lei de Regência. O que mais se poderia exigir das declarações do embargante?”, questiona a defesa.

    Jefferson já havia pedido o perdão judicial ou a redução de sua pena nos primeiros recursos, julgados no mês passado.

    A possibilidade de perdão ou de diminuição maior da pena foi rejeitada pela maioria dos ministros.

    Publicado por jagostinho @ 10:34



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.