Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 14out

    FATOS NA VIDA DE UM POLÍTICO QUE ENFRENTOU A DITADURA

    SYLVIOO tempo passa, acontece de tudo, e, embora estejamos atentos aos acontecimentos, muitas vezes não percebemos ou não ficamos sabendo de um ou outro fato.

    Enfim, não tomamos conhecimento. O fato é que os anos vão passando e o passado vem ao presente – faz-se a luz.

    Passei, agora, faz poucos dias, por um destes acontecimentos que acabam por clarear a nossa mente e fazem com que se estabeleçam conexões, antes não percebidas.

    Em meu último livro, no qual relato “muitas histórias”, especificamente na página 114, publico a minha Ficha da Delegacia de Ordem Política e Social – DOPS, onde consta:

    “O fichado foi citado como tendo aceitado apoio político do P.C.B. , na declaração, de Francisco Luiz de França, o qual foi indiciado inquérito policial n°06/75, instaurado por esta DOPS, que apurou as atividades do partido Comunista Brasileiro no Paraná.V/P-P.C.B. /PR. (Data de 29/6/76)” .

    Essa foi a data e o conteúdo da declaração mentirosa do senhor Francisco Luiz de França.

    Mentirosa por quê? Nunca fui comunista e não conhecia o dito cujo cidadão. Além disso, naquele ano de 1976, eu estava no terceiro mandato de presidente do MDB de Curitiba e no comando da eleição municipal para a escolha de novos vereadores.

    As minhas forças estavam na luta pelo retorno à democracia, e não ao comunismo.

    A dificuldade que enfrentávamos, então, estava no fato de a eleição estar subordinada à Lei Falcão que proibia o comparecimento ao vivo dos candidatos às televisões e rádios – só podia aparecer a foto, o número e a função a que se candidatava.

    O que fazer para enfrentar essa situação? Montei um palanque na carroceria de um velho caminhão e com ele rodávamos por toda a cidade.

    Dessa maneira tentava substituir os meios de comunicação proibidos pela ditadura. A Revista Veja vez ampla reportagem a esse respeito, inclusive com fotos, no dia 13 de outubro.

    Assim, contestávamos a decisão dos ditadores, embora muitos dos candidatos do nosso partido, frequentemente, fossem chamados para prestar esclarecimentos na Polícia Federal.

    Nunca deixei que fossem sem minha companhia. O trabalho valeu a pena, o MDB tinha somente seis (6) dos 21 vereadores que compunham a Câmara Municipal e conseguimos eleger nove (9).

    Anteriormente, em 1975 quando das prisões de adversários da ditadura e companheiros do meu partido, o MDB, fui o primeiro político a visitar todos no quartel da Polícia Militar do Paraná.

    Corria perigo, sim corria, mas alguém precisava fazer algo, fiz e faria de novo. 

    Agora, vejam o perigo desnecessário que passei sem saber, o perigo que corri como consequência da declaração de um indivíduo que nunca conheci, com quem nunca falei, de quem sequer sabia da existência; no entanto, o sujeito vai lá e presta um depoimento, uma mentira, uma acusação infundada, delatando uma pessoa em um período de regime ditatorial.

    Acusação esta que poderia provocar sérias consequências para minha vida, por um ato mentiroso de um irresponsável – Francisco Luiz de França. Fiquei sabendo desse fato quando tive acesso à ficha do DOPS – quando finda a ditadura.

    Eis que agora, 2013, participando de um depoimento na Comissão da Verdade, na Câmara Municipal de Curitiba, vejo e finalmente conheço o dito acima referido, Francisco Luiz de França.

    Estava ele prestando o seu depoimento.

    Fui procurar saber quem era ele, o que fizera, e constatei ter ele dedicado sua vida à militância comunista, o que lhe rendeu o título de Cidadão Honorário da Cidade de Curitiba.

    Quem ofereceu esse título será que avaliou as atitudes do cidadão, conhece sua história, ou qual foi o objetivo?

    Felizmente nada aconteceu comigo, na ocasião, continuei com minha história de vida familiar, social e política pela a qual até hoje sou reconhecido; mas se dependesse do senhor Francisco Luiz de França, de suas falsas confissões, eu, um cidadão dedicado a causa democrática, teria sido eliminado.

    Sylvio Sebastiani

    Publicado por jagostinho @ 15:17



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.