Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 02out

    DELFIM 2ANTONIO DELFIM NETTO – ex-ministro da Fazenda (governos Costa e Silva e Médici), é economista e ex-deputado federal. Professor catedrático na Universidade de São Paulo.

    A situação econômica no Brasil tem feito pouco progresso, mas não justifica o enorme pessimismo que se criou em torno dela.

    Os resultados das políticas fiscal e monetária não são confortáveis, mas não há qualquer indicação que a primeira seja insustentável, ainda que no longo prazo existam nuvens negras como a seguridade social não resolvida; ou que a segunda seja incapaz de manter a inflação dentro do intervalo da meta, ainda que o seu retorno ao centro exija a absorção de alguma inflação reprimida.

    A política cambial foi corrigida pela ação do próprio mercado, não sem antes ter comprometido o setor industrial e acumulado mais de US$ 280 bilhões de deficit em conta corrente nos últimos seis anos.

    Não há nada, portanto, que ponha em risco a nossa estabilidade. É o desconforto persistente e acumulado –sem clara resposta de reformas de longo prazo para atenuá-lo– que:

    1º) aumenta a dúvida do setor privado, reduz seus investimentos e sua confiança no governo;

    2º) leva as agências de rating a ameaçar a classificação do Brasil

    e 3º) estimula reações raivosas de parte dos intermediários financeiros nacionais e internacionais aos quais não faltam “novidades” produzidas por 12 índices de preços semanais, quinzenais e mensais gratuitos e um índice diário oneroso.

    Por fim, mas não menos importante, 4º) propiciam mudanças rápidas de opiniões importantes como a da “Economist”, na última semana.

    No mesmo momento em que a presidente Dilma reafirmava num seminário em Nova York “que o equilíbrio das contas públicas é precondição para nosso crescimento” e que “precisamos não só dos recursos, mas da gestão do setor privado, que é mais eficiente, mais ágil e de menor custo, a “Economist”, que colocara numa capa de 2009 o Cristo Redentor (o Brasil) decolando, reviu suas expectativas e publicou agora nova capa com Ele “estolando” e perguntando: “Eles estragaram tudo?”.

    A primeira observação é que a economia brasileira parece ter importância para merecer duas capas!

    A segunda é, gostemos ou não, a “Economist” é a revista econômica semanal mais lida no mundo por leigos e acadêmicos de todas as convicções ideológicas.

    Trata-se de uma instituição com as certezas e a arrogância que lhe conferem os seus 170 anos bem vividos (foi fundada em 1843 e já passou por dificuldades financeiras) na defesa intransigente da mesma tese: a liberdade dos mercados é a melhor solução para os problemas econômicos.

    Deve ser entendida na sua importância e no seu dogmatismo, com o mesmo humor e ironia britânicos com que elogia ou critica.

    Certamente exagerou para o bem em 2009.

    Vingou-se exagerando para o mal em 2013.

    Exagerou, mas não inventou nada.

    Publicado por jagostinho @ 09:23



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.