Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 21maio

    FRANCE PRESSE
    Reprodução de vídeo, mostra um suposto exorcismo realizado pelo papa Francisco ao colocar sua mão sobre a cabeça de uma criança deficiente após celebração da missa de Pentecostes, na praça São Pedro, no último domingo (19), o Vaticano nega a informação

    Reprodução de vídeo, mostra um suposto exorcismo realizado pelo papa Francisco ao colocar sua mão sobre a cabeça de uma criança deficiente após celebração da missa de Pentecostes, na praça São Pedro, no último domingo (19), o Vaticano nega a informação (AP)

    O canal dos bispos italianos TV2000 afirmou que o papa Francisco realizou um ritual de exorcismo em uma criança que assistia no domingo à missa de Pentecostes na Praça de São Pedro do Vaticano.

    Especialistas consultados pelo programa Vade Retro, do canal da Conferência Episcopal Italiana (CEI), analisaram a cena e confirmaram que a liturgia teria mesmo sido realizada pelo pontífice.

    No final da missa, Francisco se aproximou de um grupo de doentes, e o sacerdote que o acompanhava lhe disse algumas palavras que não puderam ser captadas pela gravação.

    O programa afirmou que a expressão do papa mudou, então, de maneira imprevista: “Francisco se mostrou pensativo, concentrado e estendeu as mãos sobre a cabeça do jovem, rezando intensamente”.

    Vídeo – Nas imagens é possível ver um dos garotos abrindo a boca e se movimentando de maneira interpretada pelo programa como anormal, enquanto o papa segue rezando com as mãos apoiadas em sua testa.

    “Os exorcistas que viram as imagens não têm dúvidas: tratou-se de uma prece de expulsão do demônio ou de um exorcismo”, garantiu a TV2000, que dedicará um programa na próxima sexta-feira “à batalha do papa Francisco contra o diabo e suas seduções”.

    A interpretação foi firmemente negada nesta terça-feira pelo porta-voz da Santa Sé, padre Federico Lombardi.

    “O papa não quis realizar nenhum exorcismo”, afirmou em um breve comunicado em resposta a jornalistas.

    “Como faz com frequência pelas pessoas doentes, ele simplesmente quis rezar por uma pessoa que sofre”, acrescentou.

    Depois disso, o diretor da TV2000, Dino Boffo, pediu desculpas pelo equívoco e lamentou a confusão.

    Exorcismo A Igreja adota cautela e ceticismo em relação aos episódios de possessão. A desconfiança não significa relegar o combate ao demônio a um papel secundário.

    Admitir que o Mal existe e deve ser combatido significa também reconhecer o poder maior de Deus. A doutrina afirma que o demônio não é somente uma abstração filosófica, mas uma entidade que existe de fato e está em constante luta contra os desígnios divinos, ainda que só se manifeste como possessão em casos raríssimos.

    O exorcismo, uma prática muito antiga na igreja, é considerada pela Igreja Católica uma espécie de ciência. O padre que o realiza precisa ter atributos especiais.

    Somente um sacerdote que se destaque pela “piedade, ciência, prudência e integridade de vida” pode realizá-lo, e com autorização expressa do bispo a que responde.

    Os poucos padres que possuem esse poder particular dentro da instituição, têm o objetivo de expulsar a presença do demônio em uma pessoa, como Jesus fazia, segundo a tradição do Evangelho.

    A TV 2000 já havia afirmado que João Paulo II e Bento XVI exorcizaram fiéis na Praça São Pedro.

    O Papa Francisco, desde que foi eleito em 13 de março, dedica parte de seu tempo aos doentes, conversando e rezando junto a eles. O pontífice, que respeita as formas de devoção popular, regularmente faz referência à presença do demônio no mundo e no homem.

    Assista o polêmico vídeo:-

     



    Publicado por jagostinho @ 21:51



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.