Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 01maio

    REUTERS/YOU TUBE
    O deputado venezuelano Julio Borges, do bloco de oposição ao chavismo, mostra ferimentos após agressão na Assembleia Nacional

    O deputado venezuelano Julio Borges, do bloco de oposição ao chavismo, mostra ferimentos após agressão na Assembleia Nacional (AFP)

    A maioria governista na Assembleia Nacional da Venezuela decidiu nesta terça-feira negar mais uma vez à oposição o direito à palavra, sob alegação de que ela não reconhece o presidente Nicolás Maduro, cuja eleição é contestada pelos opositores – eles denunciam irregularidades no processo eleitoral.

    Mas, desta vez, a tensão política acabou descambando para a pancadaria, com saldo de ao menos sete deputados opositores feridos.

    O clima era tenso antes mesmo no início da sessão, quando os deputados não alinhados ao chavismo que chegavam ao Parlamento não encontravam microfones em frente a seus assentos.

    Os equipamentos foram retirados por ordem do presidente da Assembleia, o chavista Diosdado Cabello. Os trabalhos só foram abertos com mais de três horas de atraso e, cerca de 30 minutos depois, o confronto eclodiu.

    Tudo começou após a aprovação sumária da indicação da nova presidente do Banco Central venezuelano.

    Cabello impediu os deputados opositores de participar de debates adicionais sobre o assunto, alegando “reciprocidade” por ignorarem a vitória de Maduro nas eleições de 14 de Abril.

    “Enquanto aqui nesta Assembleia Nacional não forem reconhecidas as autoridades, as instituições da República, os senhores da oposição poderão falar na (TV) Globovisión, no (jornal) El Nacional, mas aqui não”, disse Cabello.

    Os deputados opositores então iniciaram um apitaço e mostraram um cartaz onde se lia “Golpe no Parlamento”. Foi o bastante para membros da bancada governista partirem para cima de seus pares não chavistas, dando início a um conflito que, segundo relatos, teve até a participação de um guarda-costas da Assembleia.

    Ao mesmo tempo, as câmeras da TV Assembleia foram viradas para o teto do plenário. Em seguida, a transmissão foi suspensa e o acesso de jornalistas ao local proibido.

    Arranhões – Um vídeo feito com a câmera de um celular mostra a pancadaria generalizada. O bloco governista rejeitou “os atos de violência”, os quais atribuiu aos adversários.

    A oposição, por sua vez, veio a público mostrar o resultado das agressões: arranhões e rostos machucados.

    “Não sou o único agredido, vários deputados apanharam e o responsável direto é o senhor Diosdado Cabello, que exige nosso reconhecimento de Nicolás Maduro”, disse o legislador Julio Borges, líder do partido opositor Primeiro Justiça (PJ) e um dos mais feridos.

    “O que fizemos foi exibir em silêncio o cartaz ‘Golpe no Parlamento'”, explicou Borges, ressaltando que após o protesto vários deputados da oposição foram agredidos por legisladores chavistas.

    “Esses golpes vão nos dar mais força…o senhor, Diosdado Cabello, está cavando uma sepultura para todo o processo que vocês chamam de revolução”, acrescentou ele, com sangue no rosto e olhos inchados.

    “O deputado Americo de Grazia foi empurrado escada abaixo e cinco pessoas caíram sobre ele, golpearam-no violentamente e ele está hospitalizado, isso enquanto o deputado Diosdado Cabello sorria”, afirmou a parlamentar Maria Corina Machado, da oposição, durante uma entrevista coletiva após o confronto.

    Já a chavista Odalis Monzón disse que foi “atacada pela bancada opositora” e agradeceu seus companheiros por “defendê-la”, em declaração à TV da Assembleia Nacional.

    A tensão política na Venezuela está em nível máximo desde que Nicolás Maduro venceu o líder da oposição, Henrique Capriles, na eleição presidencial de 14 de abril por uma diferença de apenas 224.000 votos (1,49%).

    Trata-se do número final, atualizado na segunda-feira após a divulgação do resultado das urnas no exterior, nas quais Capriles teve mais de 93% dos votos.

    A oposição não reconhece a vitória de Maduro, alega fraude eleitoral e nos próximos dias entrará com um recurso para impugnar o pleito no Tribunal Supremo de Justiça (TSJ).

    Assista o vídeo da pancadaria na Assembleia Nacional Venezuelana:-

    Publicado por jagostinho @ 10:24



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.