Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 13mar

    GAZETA DO POVO

    tarifa_opnibus_130313A partir da zero hora desta quinta-feira, os moradores de Curitiba e dos 13 municípios da região metropolitana (RMC) integrados pelo transporte coletivo vão passar a pagar R$ 2,85 pela tarifa de ônibus.

    O anúncio foi feito ontem pela Urbanização de Curitiba (Urbs), responsável pela Rede Integrada de Transporte (RIT), horas depois do acordo que definiu um aumento de 10,5% no salário de motoristas e cobradores.

    O valor da domingueira também sofreu aumento e agora será de R$ 1,50.

    O reajuste de 9,6% na passagem de ônibus, porém, não encerra a polêmica sobre a integração com a RMC.

    Ao lado de alguns técnicos, o presidente da Urbs, Roberto Gregório da Silva Júnior, afirmou que a possibilidade de a rede integrada ser rompida a partir de 7 de maio, com o fim do subsídio do governo estadual, existe.

    Com isso, usuários de 13 municípios vizinhos poderão pagar um valor acima do aplicado em Curitiba.

    “Seriam necessários R$ 7 milhões mensais para manter a tarifa única que integra o sistema”, ressalta.

    A tarifa técnica (divisão do custo da frota pelo número de passageiros pagantes, que representa o custo real do sistema) da RIT passou de R$ 2,89 para R$ 3,13 com o reajuste.

    Segundo a Urbs, a tarifa técnica apenas da RMC é de R$ 4,20. A conta da nova tarifa técnica não prevê a isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre o diesel anunciado pelo governo.

    Gregório disse que a negociação com o governo do estado continua, apesar do governador Beto Richa ter garantido que não haverá mais repasses pa­­ra segurar o valor da tarifa.

    “Temos um desafio grande ain­­da, que é o subsídio. Nós es­­peramos é que o sistema inte­­grado possa ter continuidade”, afirmou.

    A Urbs alega que a le­­gislação atual deixa claro que a responsabilidade pela car­­ga do transporte coletivo na RMC é da Comec. “Vamos man­­ter o canal de conversa, mas precisamos do convênio pa­­ra manter a integração.”

    Análise

    Para o professor Garrone Reck, do Departamento de Transportes da Universidade Federal do Paraná, o impacto de cada componente da passagem ainda precisa ser apresentado com mais transparência pela Urbs.

    “Com a nova gestão, as pessoas aguardam mudanças na forma de se fazer as coisas”, disse.

    Segundo ele, as gestões passadas têm revalidada a pouca transparência quando o assunto é a tarifa de ônibus.

    Ele ainda acredita que esses reajustes acabam tirando o usuário do transporte coletivo e o colocando dentro de carros.

    Publicado por jagostinho @ 09:11



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.