Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 23fev

    EFE – CARACAS

    RAMON JOSE MEDINAA aliança opositora venezuelana, a Mesa da Unidade Democrática (MUD), considerou nesta sexta-feira (22) que a falta de aparições públicas do presidente Hugo Chávez durante os últimos meses “evidencia que sua situação é muito mais grave do que o governo diz”.

    O secretário-executivo adjunto da MUD, Ramón José Medina(foto), afirmou que considera que o relatório apresentado ontem pelo governo apenas “deixa mais incertezas” sobre o estado de saúde de Chávez.

    O documento diz apenas que o presidente venezuelano sofre de uma insuficiência respiratória com uma evolução “não favorável”.

    “Não aparecer em público desde o dia 8 de dezembro evidencia que sua situação é muito mais grave do que o governo quer revelar”, afirmou Medina durante uma coletiva de imprensa.

    No último dia 8 de dezembro, Chávez anunciou que iria se submeter à quarta operação em Cuba devido a um câncer na região pélvica, e indicou o vice-presidente, Nicolás Maduro, como seu sucessor político no caso de não poder continuar à frente do país.

    Dois dias depois, a rede de televisão estatal veiculou imagens do presidente antes de ele viajar a Havana. Desde então, os venezuelanos não voltaram a ver ou ouvir Chávez.

    Nem mesmo em sua surpreendente chegada a Caracas na madrugada da última segunda-feira.

    “Durante mais de dois meses não sabemos verdadeiramente o destino do presidente: onde está, como está e quais são suas reais condições”, afirmou o dirigente da oposição.

    “A única certeza que temos é de que Chávez não está em condições de exercer suas funções”, acrescentou.

    Medina insistiu, também, na necessidade de Chávez assumir o quarto mandato, que obteve em outubro, perante Tribunal Supremo de Justiça (TSJ).

    O TSJ admitiu que Chávez não tomasse posse no dia 10 de janeiro, como a constituição do país estabelece, e permitiu que a cerimônia fosse adiada por tempo indeterminado, até que ele estivesse recuperado de sua doença.

    “Se considerarmos válida a sentença do TSJ, o presidente deveria ter tomado posse há pelo menos dois dias e, no caso de não estar apto a assumir o cargo, o tribunal deveria proceder de acordo com a Constituição e designar uma junta médica que determine as reais condições nas quais Chávez se encontra”, afirmou Medina.

    Sobre a escolha de um candidato da no caso de um eventual pleito antecipado, Medina disse que “haverá um momento para tomar essa decisão” sem antecipar se o ex-candidato presidencial, Henrique Capriles, será o representante.

    “Evidentemente, serão realizadas eleições na Venezuela ainda neste ano, mas ainda não é o momento para se tomar tal decisão”, ressaltou.

    Chávez retornou na segunda-feira passada a Caracas após passar mais de dois meses em Cuba, e está internado no Hospital Militar Dr Carlos Arvelo.



    Publicado por jagostinho @ 18:56



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

2 Respostas

WP_Cloudy

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.