Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 21fev

    REUTERS/NASA

    O jipe-robô da Nasa em Marte enviou nesta quarta-feira (20) novas imagens que confirmam seu sucesso na primeira coleta de amostra do interior de uma rocha marciana.

    Nenhum outro jipe jamais havia perfurado uma rocha fora da Terra e coletado uma amostra de seu interior.

    A amostra de rocha em pó fruto da perfuração que foi transferida por um instrumento em forma de colher foi vista pela primeira vez em imagens recebidas pelo Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa em Pasadena na Califórnia, EUA.

    Nasa/JPL/Reuters
    O jipe-robô Cusiosity mostra um pó cinza, a primeira amostra de solo perfurado coletada em Marte
    O jipe-robô Cusiosity mostra um pó cinza, a primeira amostra de solo perfurado coletada em Marte

     

    “Ver o pó da broca no instrumento nos permite verificar pela primeira vez a amostra assim que ela foi gerada após a perfuração”, disse Scott McCloskey, engenheiro de sistemas de perfuração da equipe do Curiosity.

    “Muitos de nós temos trabalhado para tornar esse dia possível há anos. Obter a confirmação final de perfuração bem-sucedida é incrivelmente gratificante. Para a equipe de amostragem, é o equivalente da equipe de pouso enlouquecendo após o sucesso da chegada em Marte.”

    A broca no braço robótico do jipe coletou o pó assim que perfurou um buraco de 6,4 centímetros de profundidade em uma rocha em solo marciano plana no dia 8 de fevereiro.

    A equipe do Curiosity ainda vai fazê-lo peneirar a amostra e colocar nos instrumentos analíticos que tem.

    Após filtrada por uma peneira de crivo de 0,015 centímetros, o pó fino será colocado no instrumento de mineralogia química a bordo para análises.

    Segundo cientistas da Nasa, o pó é cinza por provavelmente ter sulfeto de cálcio em sua composição.

    O fato do solo interno de Marte não ser vermelho é um bom sinal, explicam, pois a oxidação que contribui para a cor de ferrugem à superfície do planeta destrói compostos orgânicos, os quais indicariam possível existência de vida no passado de Marte.

    A amostra vem de grãos de um veio de rocha sedimentar chamado de John Klein, em memória de um gerente do Laboratório de Ciência de Marte que morreu em 2011.

    A rocha foi selecionada para a primeira amostra de perfuração porque pode conter evidências de condições ambientais úmidas no passado.

    O Laboratório de Ciência Marciana da Nasa está usando o robô Curiosity com seus dez instrumentos científicos para investigar se uma área dentro da cratera Gale já ofereceu um ambiente favorável para vida microbiana.



    Publicado por jagostinho @ 18:22



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.