Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 19fev

    ELIANEELIANE CANTANHÊDE – jornalista, colunista da Folha e comentarista do telejornal “Globonews em Pauta

     

    BRASÍLIA – Previsibilidade e confiabilidade, o que inclui respeito a contratos e dados oficiais seguros, inquestionáveis.

    É isso que a comunidade internacional procura, os investidores internos esperam e, enfim, é o mínimo que a sociedade brasileira exige. Mas há coisas estranhas acontecendo.

    Primeiro, foi o uso do Fundo Soberano para maquiar os números e simular um superavit primário em 2012 mais digerível pelo mercado. Aliás, inflaram os dados, mas não o suficientemente.

    Depois, a descoberta de que o gato comeu e o Tesouro engoliu recursos depositados pelas empresas no FGTS –que pertence aos trabalhadores– para fechar suas contas.

    Enfim, sabe-se da imensa criatividade do governo ao lidar com os números da inclusão social e ao prometer erradicar a miséria.

    Com R$ 2 (dois reais!) a mais e um estalar de dedos, milhares de pessoas foram dormir miseráveis, com renda de R$ 69, e acordaram ex-miseráveis, com R$ 71. Isso, nas estatísticas e bumbos oficiais.

    O teto de R$ 70, aliás, está careca de tão velho. E mais: cerca de 2,5 milhões de pessoas que vivem abaixo da linha da miséria no país estão fora do Cadastro Único, segundo estimativa do Ministério do Desenvolvimento Social.

    A Argentina e sua presidente acabam de passar por dois vexames internacionais: uma censura do FMI e a ironia da revista “The Economist”, justamente pela falsificação de dados, especialmente os do PIB e da inflação.

    Ninguém confia nos índices do governo, e o governo veta os índices de agências, empresas ou bancos independentes.

    Na “The Economist”, a famosa “Don’t cry for me, Argentina” é ironizada como “Don’t lie to me, Argentina” ou, apropriadamente, “Não minta para mim, Argentina”.

    O Brasil é bem mais avançado do que a Argentina e Dilma tem mais credibilidade que Cristina Kirchner.

    Tomara que continue assim.



    Publicado por jagostinho @ 13:22



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.