Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 07fev

    DELFIMANTONIO DELFIM NETTOex-ministro da Fazenda (governos Costa e Silva e Médici),  economista e ex-deputado federal. Professor catedrático na Universidade de São Paulo

     

    A alegria de todos os governos em aprovar projetos de singular visibilidade, mas de aparência gratuita, é incontrolável.

    Não se trata de refinarias que só amadurecem em 20 anos ou de hidrelétricas que não terminam em menos de 15 anos, com aumentos de custos avassaladores, em que a experiência mostra que são repetitivos e mais graves quando a administração é direta.

    E trágicos, quando resultantes de emendas parlamentares.

    Por maior que seja a boa vontade, não se encontra a realização de uma só ideia que tenha saído do papel e tenha sido entregue ao público no tempo aprazado e com custos ajustados de forma razoável.

    E praticamente todas terminam no Tribunal de Contas, ou nas delegacias de polícia…

    Esses fatos não se limitam a obras “físicas” –uma estrada, uma ponte, um porto, uma usina térmica ou hidrelétrica.

    Temos agora um exemplo surrealista: o Acordo Ortográfico, nascido de genitores duvidosos e colocado na “roda” em Lisboa, nos idos de 1990!

    Não tenho competência para avaliar se o acordo é uma necessidade e se vai estimular o enriquecimento linguístico ou o florescimento maior das já excelentes literaturas brasileira e portuguesa.

    O que desejo é chamar a atenção para o que ocorre quando os governos (do Brasil e de Portugal) são estimulados a “meter a mão” numa tarefa que deveria ser deixada às respectivas academias de letras.

    Quando estas (se isso for possível antes do fim do mundo) chegarem a um compromisso e publicarem, no ano de 20.. (estou hoje com irrefreável otimismo!), o “Vocabulário Ortográfico Universal da Língua Portuguesa”, adeririam a ele, com o tempo, todos os Estados da comunidade lusófona (se o desejassem…).

    Vejam só o que diz o acordo de 1990: 1º) Até 1º/1/1993 os Estados signatários produzirão o vocabulário ortográfico comum; 2º) Em 1º/1/1994 ele entrará em vigor em todos eles.

    Como era de esperar, tudo isso era só encenação e conversa! Em setembro de 2008 (como nada tinha acontecido), o então presidente Lula assinou um decreto determinando que em 1º/1/2009 o acordo começaria a funcionar e que em 31/12/2012 as duas grafias seriam uniformizadas.

    Gastou-se um rio de dinheiro público (foi publicado um dicionário escolar e um vocabulário ortográfico, ajustou-se a escrita de livros, jornais etc.).

    Produziu-se apenas uma enorme confusão e uma bem-vinda barreira de críticas pertinentes.

    Felizmente, a presidente Dilma Rousseff em boa hora adiou (pena que não “sine die”) mais uma vez, para 1º/1/2016 (depois de uma geração…), o “(Des)Acordo” de 1990!

    É o que resulta da ação dos governos quando eles insistem em meter a mão no que não devem.



    Publicado por jagostinho @ 13:32



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.