Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 23nov

    GAZETA DO POVO/FERNANDO JASPER

    O preço médio do álcool em Curitiba subiu 14 centavos, cerca de 7%, desde o início do mês, e está beirando os R$ 2 por litro.

    Totem com preços de combustível: altas recentes modificaram o panorama do mercado – Foto:- Ivonaldo Alexandre/ Gazeta do Povo

    Mas o avanço da gasolina nesse intervalo foi tão forte – 31 centavos, ou 16% – que o derivado da cana-de-açúcar voltou a ser a opção mais vantajosa para abastecer carros flex, o que não acontecia desde junho de 2011.

    Na semana passada, o litro do etanol estava sendo vendido por uma média de R$ 1,955 nos postos da cidade, o equivalente a 69% do custo da gasolina (R$ 2,848).

    Abaixo, portanto, da marca de 70% habitualmente usada para definir até que ponto o álcool é competitivo.

    Os relatórios mensais da ANP (agência que regula o setor) mostram que a relação se manteve acima de 70% por 16 meses consecutivos – no mês passado, ela oscilou em torno de 74%.

    Isso deu grande impulso ao consumo de gasolina e deprimiu o mercado de etanol, que está em retração pelo segundo ano seguido.

    De janeiro a setembro, foram vendidos 565 milhões de litros do combustível de origem vegetal no Paraná, 13% menos que em igual intervalo do ano passado. Enquanto isso, a demanda por gasolina aumentou 17%, para pouco mais de 2 bilhões de litros.

    Dois fatores mantinham o derivado do petróleo como a alternativa mais econômica: o congelamento dos preços da gasolina nas refinarias e a queda na oferta de etanol, provocada por quebras na safra de cana e pela falta de investimento na renovação e ampliação de canaviais.

    O que inverteu esse quadro foi o forte reajuste promovido pelos postos de Curitiba a partir do fim de outubro, às vésperas do feriado de Finados.

    Embora o custo da gasolina tenha continuado o mesmo nas refinarias, as distribuidoras passaram a cobrar 2% mais pelo produto, em média.

    E os postos, na ponta da cadeia, elevaram o preço ao consumidor em cerca de 16%.

     

    Publicado por jagostinho @ 15:48



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.