Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 06nov

    REUTERS

    Os americanos vão escolher nesta terça-feira (6) quem será o próximo presidente dos Estados Unidos. O atual mandatário e candidato à reeleição, o democrata Barack Obama, enfrenta nas urnas o republicano Mitt Romney, ex-governador de Massachusetts. Praticamente empatados segundo

    Quem vai sorrir por último? Foto:- Jim Young /Reuters

    as muitas pesquisas de intenção de voto divulgadas nos últimos dias, o vencedor do duelo entre Obama e Romney sairá do desempenho deles nos Estados em que os eleitores estão indecisos e não é possível prever se haverá vitória democrata ou republicana (veja o mapa abaixo).

    Com uma campanha pautada pela crise econômica, o próximo líder americano terá o desafio de diminuir o déficit e gerar emprego e renda. Enquanto Obama tentou durante a campanha equilibrar o desencanto de um número de eleitores que depositaram nele sua confiança em 2008 e seu desejo de seguir representando a mudança, Romney colocou-se como uma opção às políticas econômicas dos últimos quatro anos.

    “O progresso é difícil. A mudança pode ser lenta”, repetiu Obama em seus discursos, enquanto resistia aos ataques de seu rival republicano, que o acusa de ter descumprido sua promessa de colocar em ordem os Estados Unidos e sua economia.

    Obama foi eleito em 2008 usando os temas da “esperança” e da “mudança”, que agradaram a um eleitorado cansado das políticas do republicano George W. Bush, então presidente. Neste ano, o slogan de Obama é “Para Frente”, mas sua mensagem e dos seus aliados têm incluído duros ataques a Romney, ex-executivo do setor privado. Os republicanos dizem que Obama optou pela campanha negativa porque tem poucas realizações a mostrar no campo econômico. Os democratas argumentam que Romney, que também usou munição pesada contra o presidente, distorceu a verdade sobre a atuação do atual governo, e escondeu os fatos a respeito de si próprio.

    Mapa mostra situação geral da eleição nos EUA

    Fonte: “The New York Times”

    Porém, o exercício do poder resultou ser, por vezes, frustrante para este democrata, advogado e professor de Direito Constitucional graduado em Harvard, sobretudo desde que a Câmara de Representantes foi conquistada no fim de 2010 pelos republicanos, defensores dos cortes de gastos sem aumento de impostos. As disputas com os republicanos provocaram incessantes batalhas, o que custou ao país uma inédita degradação da nota de sua dívida soberana.

    Ao pedir novamente os votos de seus compatriotas, Obama consegue mostrar um balanço respeitável, que inclui uma reforma do sistema de saúde, promulgada em 2010 e validada dois anos mais tarde pela Suprema Corte.

    Após sua chegada ao poder, Obama lançou um plano massivo para reviver a economia, mas os republicanos afirmam que o desemprego, apesar de mostrar uma queda nos últimos meses, ainda é mais alto que no início da crise, enquanto a dívida federal continua aumentando.

    Embora tenha se convertido no primeiro presidente americano a apoiar o casamento entre pessoas do mesmo sexo e tenha colocado fim ao “tabu homossexual” no Exército, não alcançou uma reforma migratória no país onde vivem mais de 11 milhões de ilegais, nem uma transição para as energias “verdes”.

    Em política externa, Obama cumpriu em 2011 com sua promessa de retirar os soldados americanos do Iraque. Em várias ocasiões, tentou estabelecer um diálogo com os muçulmanos, meta não alcançada.

    No Afeganistão, por sua vez, triplicou em menos de um ano o contingente militar, em uma tentativa de relançar a luta contra a Al Qaeda, um esforço que também perseguiu no Paquistão, onde obteve sua vitória mais importante: a eliminação de Osama Bin Laden em maio de 2011.

    Mas não conseguiu avançar no conflito entre israelenses e palestinos no contexto de uma “primavera árabe”, que buscou encarar à distância, e de um aumento das tensões com o Irã por seu programa nuclear.

    Romney

    Ao criticar as estratégias econômicas do democrata nos últimos quatro anos, Romney citou seu “Plano de Cinco Pontos”, que consistem em diminuir a tributação, ter independência energética, abrir o comércio para América Latina, defender as pequenas empresas e ter as melhores escolas.

    Apesar de ter lembrado o fato de o país ter enfrentado uma grande crise financeira e ter ficado “à beira do colapso”, Obama diz ter conseguido reagir com a criação de 5 milhões de empregos em 30 meses. Mas disse que a tarefa pela frente é de “reconstruir” o país, e reconheceu que falta muito a ser feito.

    Romney acusou Obama em várias ocasiões durante a campanha de fomentar políticas econômicas que, em sua opinião, levarão os EUA rumo à mesma grave crise que afeta a Europa.

     

    Publicado por jagostinho @ 09:20



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.