Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 25out

    GAZETA DO POVO

    Petraglia entra no hotel para reunião do Conselho Deliberativo: dirigente levou modelos de cadeiras para conselheiros atestarem que a da Kango é a melhor-Foto:- Daniel Castellano / Gazeta do Povo

    Ponto central das denúncias de irregularidades na gestão da reforma da Arena para a Copa, as cadeiras testadas para equipar o estádio rubro-negro foram o ponto alto da reunião extraordinária do Conselho Deliberativo do Atlético, nesta quarta-feira à noite.

    Expostos na entrada do salão em que o encontro foi realizado, em um hotel no Centro de Curitiba, diferentes modelos de assentos esportivos puderam ser testados pelos 181 conselheiros presentes.

    O test-drive foi um dos recursos utilizados pelo presidente do Atlético, Mario Celso Petraglia, para defender a atuação da CAP S/A, a qual ele tam­­bém preside.

    Uma defesa baseada em argumentos téc­­nicos, mas pontuada por críticas à imprensa e ao vice-presidente do Deliberativo, Jo­­sé Cid Campêlo Filho, autor das denúncias de contratação de parentes de Petraglia para a conclusão do estádio.

    A Kango Brasil Ltda., de Mario Celso Keinert Petraglia, filho do dirigente, fornece as cadeiras. Os serviços de arquitetura são de Carlos Arcos, primo do cartola.

    A contratação da Kango foi explicada por Ernan Ornaghi, diretor de suprimentos da CAP S/A. O funcionário apresentou a carta-convite que abriu a concorrência e explicou o processo que culminou na seleção da Kango, contratada para instalar 43.981 unidades a R$ 9,6 milhões.

    O orçamento é mais caro que o das outras finalistas, Sanko Meão (R$ 8,6 milhões para a mesma quantidade) e Ufficio Mackey (R$ 8,2 milhões para 1,7 mil unidades a menos).

    O Atlético, porém, apontou a superioridade técnica e facilidades para instalação e manutenção como razões para contratar a empresa mais cara. Ao menos o primeiro argumento foi amplamente apoiado pelos conselheiros.

    “Cadeiras Kango. Nota 10!”, escreveu, no Twitter, o conselheiro João Gabriel Ribeiro.

    “Se fosse teste cego, certamente as cadeiras da Kango seriam escolhidas. Diferença muito grande”, reforçou, também via rede social, o conselheiro e integrante do Conselho Fiscal, Alessandro Matos. Segundo ambos, essa opinião era unânime entre os presentes.

    O 2.º vice-presidente do clu­­be, Márcio Lara, detalhou o projeto da Arena desde o início, em 1999, como parte da defesa da contratação de Ar­­cos.

    Pedro Loyola Júnior, presidente do Conselho Fiscal, falou da auditoria interna, que não encontrou irregularidades nos contratos.

    Já o conselheiro Mário Schirmer, procurador do Ministério Público Estadual, explicou o convênio entre Atlético, prefeitura e estado para a Copa.

    Autor das denúncias, Cid Campêlo Filho teve aberto contra si um processo do Conselho de Disciplina e Ética.

     

    Publicado por jagostinho @ 13:11



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.