Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 16out

    GAZETA DO POVO

    Ney Leprevost (PSD) e Cleiton Kielse (PEN), deputados estaduais

    Após afirmar que haveria parlamentares corrompidos com as concessionárias de pedágio no Paraná, o deputado estadual Cleiton Kielse (PEN) subiu à tribuna da Assembleia Legislativa na sessão de ontem para disparar contra os colegas.

    Em pronunciamento, ele acusou Ney Leprevost (PSD) de receber dinheiro de empresários ligados ao pedágio e afirmou que a Mesa Executiva é “conivente” com as concessionárias.

    As declarações podem fazer com que Kielse enfrente um processo de cassação. Leprevost, com quem o deputado chegou a bater boca no plenário, disse que pediria para que fosse aberto um processo contra o colega por quebra de decoro.

    A polêmica começou em julho, quando Kielse afirmou em entrevista a uma emissora de rádio que uma CPI para investigar o pedágio não vinga “em função de deputados comprados pelas concessionárias”.

    Por solicitação do presidente da Assembleia, Valdir Rossoni (PSDB), o Conselho de Ética abriu um processo disciplinar contra o deputado, notificado a apresentar sua defesa.

    Ontem, Kielse citou nominalmente Leprevost. Segundo ele, o deputado teria recebido em sua campanha de 2010 uma doação de R$ 1 milhão de empresários ligados à empreiteira CR Almeida, uma das sócias da concessionária de pedágio Ecovia.

    “O deputado assinou o pedido de instalação da CPI e depois retirou seu nome”, disse. Leprevost confirmou ter recebido a doação, alegando que os proprietários da empresa são seus amigos.

    Na prestação de contas da campanha de 2010 de Leprevost constam as doações de Ricardo Beltrão de Almeida e Guilherme Beltrão de Almeida, de R$ 200 mil e R$ 300 mil, respectivamente.

    Quanto à retirada da assinatura do pedido de CPI, explicou que ela aconteceu porque Kielse teria dito que a investigação seria usada para achacar as concessionárias.

    Após a declaração, o clima esquentou no plenário da Assembleia. Kielse chamou Leprevost de “mentiroso”. O parlamentar do PSD respondeu com acusações de “bandido” e “pistoleiro”. Ao final, Leprevost anunciou que irá pedir a cassação de Kielse por quebra de decoro.

    Sobraram acusações também para Rossoni, o 1.º secretário Plauto Miró Guimarães (DEM) e o líder do governo, Ademar Traiano (PSDB), tachados de “coniventes” com as concessionárias.

    Uma das alegações de Kielse é que Luiz Caldas, procurador-geral da Assembleia, é irmão de Maria Luiza Caldas, funcionária da Casa e que, segundo o deputado, seria diretora de uma das concessionárias.

    Procurada pela reportagem, Maria Luiza disse que é funcionária licenciada da Assembleia e que possui uma microempresa que presta serviços de marketing para a Ecovia.

    Ela disse que as declarações de Kielse são “infundadas” e ressaltou que tanto ela como o irmão nunca trocaram favores. A Associação Brasileira das Concessionárias de Rodovias (ABCR) divulgou nota rebatendo Kielse:

    “As declarações do parlamentar estão equivocadas, não sendo a expressão da verdade, tão pouco revelam a realidade dos resultados, que são permanentemente fiscalizados pelo poder concedente do estado”.

     

    Publicado por jagostinho @ 12:58



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.