Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 26jul

    FRANCE PRESSE

    O Obelisco, o principal ícone de Buenos Aires, está sem luz na noite desta quarta-feira após a companhia Edesur ter cortado a energia elétrica de todas as praças da parte sul da capital argentina por falta de pagamento do governo da cidade.

    A companhia elétrica reclamou à cidade uma dívida de 50,9 milhões de pesos (R$ 22 milhões), equivalente aos subsídios eliminados pelo governo federal em janeiro que a administração da capital não pagou.

    Outras praças da cidade também tiveram a energia cortada.

    Mariano Sanchez/France Presse
    Obelisco, em Buenos Aires, apagado; Governo da cidade não pagou conta de luz por contestar subsídios
    Obelisco, em Buenos Aires, apagado; Governo da cidade não pagou conta de luz por contestar subsídios

     

    “Os cortes continuam enquanto não tenha avanço o pagamento da dívida”, diz Alejandra Martínez, porta-voz da companhia elétrica.

    A situação atingiu praças da região central e na zona sul de Buenos Aires, como a praça de Almagro, Irlanda e Arenales, e parques como o Centenario e o Rivadavia, dois dos principais locais de diversão da cidade.

    O ministro de Ambiente e Espaço Público da capital, Diego Santilli, disse que o governo é discriminado por pagar uma tarifa mais alta que outras regiões do país –a cidade de Buenos Aires, como capital federal, tem o mesmo nível político que as Províncias argentinas–, situação contra a qual entrou com processo judicial.

    De Caracas, o ministro de Planejamento do país, Julio de Vido, responsável pela regulação das agências de serviços públicos e pelo corte de subsídios, disse que o problema é que a cidade não paga a conta.

    OPOSIÇÃO

    O chefe de governo da cidade de Buenos Aires, Mauricio Macri, é considerado um dos principais opositores à presidente Cristina Fernández de Kirchner.

    Em 2012, os dois governantes entraram em tensão pela passagem da concessão do metrô da capital argentina do governo federal à administração da cidade, que afirmou não ter verba para garantir a manutenção, apesar de ser a responsável pela construção da expansão da rede.

    Os cortes de subsídios nas contas de energia elétrica foram uma das primeiras medidas tomadas por Cristina Kirchner para diminuir os gastos de governo após sua reeleição, em 2011.



    Publicado por jagostinho @ 13:08



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.