Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 14maio

    OPERA MUNDI

    Roberto Almeida

    Estátuas sem nome “observam” estádio olímpico no leste de Londres; área é alvo especulação imobiliária

    Faltam pouco mais de dois meses para o início da Olimpíada de Londres. A tocha, que já foi acesa na Grécia, vai percorrer o mundo e circular pelas ruas da capital britânica até acender a pira no Parque Olímpico de Stratford, zona leste da cidade.

    Dentro do estádio, 80.000 pessoas vão vibrar com a cerimônia de abertura enquanto, do lado de fora, moradores, ex-moradores e ativistas vão denunciar a “limpeza” da área, uma das mais empobrecidas do país, feita à base de políticas agressivas de coerção e remoção de pessoas em favor do “benefício econômico”.

    Dois exemplos recentes, retratados pelo jornal britânico The Guardian e pela rede estatal BBC, mostram como políticas públicas, aliadas à especulação imobiliária, desfiguraram a zona leste de Londres.

    O primeiro revelou os efeitos perniciosos da criação de “zonas de dispersão”, com o intuito de facilitar abordagens e remoção de pessoas com “comportamento anti-social” da área do Parque Olímpico.

    O segundo expôs a alta dos aluguéis na região e o conseqüente aumento no número de despejos praticados por proprietários ávidos pelo “dinheiro olímpico”.

    Todos os dados expostos pela imprensa britânica têm como fonte o Games Monitor (www.gamesmonitor.co.uk), ONG responsável por investigar e apresentar relatórios sobre as conseqüências dos Jogos Olímpicos para a cidade.

    A iniciativa, comparável à do Movimento Nossa São Paulo, já demonstrou em documentos bastante detalhados, compilados por voluntários, estudantes e especialistas, o crescimento no valor dos imóveis do leste de Londres, a explosão nos preços dos aluguéis e a prática de despejo.

    Chama a atenção, de acordo com a ONG, como as práticas atravessam todo o espectro político britânico desde que Londres foi selecionada para sediar a Olimpíada.

    Novos Trabalhistas, liderados por Tony Blair, iniciaram o processo, agora assumido e levado a cabo pelo conservadorismo de David Cameron.

    Ambos sempre exaltaram os “benefícios” que a Olimpíada traria ao Reino Unido.

    O leste de Londres é recipiente de ondas de imigrações desde o século 17. Já se estabeleceram ali franceses huguenotes, irlandeses, judeus e, desde a década de 1960, tornou-se lar para migrantes de Bangladesh.

    O distrito de Tower Hamlets e Newham, no sudoeste, é lar para a maior comunidade muçulmana da capital britânica. Eles são os principais afetados pela construção do Parque Olímpico.

    “As pessoas são informadas sobre as mudanças, e não consultadas para moldá-las. Governos sob todas as administrações e em todos os níveis parecem ignorar as críticas sobre suas políticas urbanas. Nesse caso, elas (os moradores do leste de Londres) foram caladas pela falta de uma organização que lhes desse voz”, disse Carolyn.

    ‘O governo mente desde o primeiro dia’

    A irritação com as medidas do governo britânica é evidente em Julian Cheyne. Ex-morador de um condomínio social, o Clays Lane Peabody Centre, em Stratford, ele foi despejado e o conjunto, demolido para dar lugar ao Parque Olímpico.

    O Clays Lane, construído em 1977 e composto por 57 casas, era conhecido como a maior cooperativa de moradores do Reino Unido e a segunda maior da Europa. Todos foram removidos para outras áreas.

    “A Olimpíada de Londres mostra como o governo mente desde o primeiro dia. Eles classificam todo tipo de coisa como ‘benefício’, mas são coisas que nada têm a ver com a Olimpíada”, afirmou Cheyne ao Opera Mundi.

    “Despejos são característicos de megaeventos como a Olimpíada, e isso resulta em comunidades pobres desabrigadas e em desvantagem. O comércio pequeno e local não vai conseguir nada com a Olimpíada. Estamos falando de poder das corporações, que se beneficiam”, continuou.

    Para Cheyne, o Rio de Janeiro, palco para os próximos Jogos, em 2016, precisa estar alerta ou “será tarde demais”.

    “O discurso de que a Olimpíada traz ‘benefícios’ será apresentado como um assunto de importância nacional, atropelando todas outras quaisquer considerações. Infelizmente, é provável que a maioria dos brasileiros aceitem esse argumento e que seja difícil de persuadi-los do contrário. Isso até o momento em que as pessoas vejam o que realmente está acontecendo e passem pela grande dor de cabeça que é a Olimpíada”, afirmou.

     

    Publicado por jagostinho @ 15:19



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.