Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 30abr

    KENNEDY ALENCAR

    Em quase um ano e meio de governo, afloraram divergências entre a presidente Dilma Rousseff e seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva.

    Os dois têm pontos de vista diferentes sobre muitos assuntos. E falam disso quando se reúnem.

    É fato, por exemplo, que tiveram opiniões díspares sobre a conveniência de criar a CPI do Cachoeira.

    Discordaram sobre trocas no ministério e na Petrobrás. Vez ou outra, surgiram ruídos.

    Enfim, são pessoas e estilos diferentes.

    Dilma não é uma marionete alojada no Palácio do Planalto. Nem ele é um caudilho com pretensão de manipulá-la.

    É possível um rompimento? Resposta: impossível.

    A principal razão é o sólido laço pessoal entre os dois. Há afeto de verdade na relação. Para o bem e para o mal, Lula é o político brasileiro que mais faz política com emoção.

    No seu governo, muitos auxiliares o aconselharam a não dar a mão a algumas figuras que minavam sua imagem.

    Na maioria das vezes, ele ignorou esses alertas, a fim de priorizar uma blindagem política no Congresso após o susto do mensalão. Lula pagou e paga até hoje o preço disso.

    E foi com alta dose de emoção que Lula governou, forçando sua equipe a adotar medidas que aceleraram a redução da pobreza no Brasil.

    No poder, ele nunca esqueceu sua origem pobre. Quem acompanhou Lula em viagens pelo país testemunhou a intensidade emocional do seu contato com as pessoas, principalmente as mais simples.

    A alta popularidade do petista é reflexo dessa relação carinhosa com o povo.

    A amizade de Lula e Dilma se consolidou em anos de proximidade cotidiana. Ela foi a ministra da Casa Civil que deu a ele o controle efetivo do seu governo.

    Ele foi o presidente que propiciou a ela a oportunidade de realizar um sonho que parecia inalcançável.

    Lula e Dilma gostam um do outro como nunca se gostaram Fernando Henrique Cardoso e Itamar Franco, Paulo Maluf e Celso Pitta e Orestes Quércia e Luiz Antonio Fleury Filho, para ficar nos casos clássicos de rompimento entre criador e criatura da nossa história recente.

    O poder real de Lula fora da Presidência é outra razão para crer na impossibilidade de ruptura. Ele não precisa do cargo para ser importante. Lula é.

    Basta ver a romaria de políticos de todos os partidos e de empresários de todos cantos do país ao Hospital Sírio-Libanês e ao Instituto Cidadania.

    A força de Lula faz sombra a Dilma? Faz.

    Mas também dá a ela um escudo político invejável. Grande parte da popularidade da presidente é herança do antecessor.

    Com um estilo próprio, ela tem caído nas graças de setores conservadores que não gostam dele.

    Juntos e leais um ao outro, Lula e Dilma são imbatíveis hoje na política brasileira.

    Apostar numa ruptura é uma furada tão grande quanto aquela do terceiro mandato lulista.

    Em 2014, Dilma será a candidata do PT com apoio enfático de Lula. Só um acontecimento extraordinário mudaria isso.

    Nada no horizonte parece indicar algo nesse sentido. Pelo contrário.

    Repetindo: Lula e Dilma pensam diferente sobre vários temas. É bom que seja assim.

    No entanto, versões de contrariedade de um com o outro são alimentadas pelos políticos e auxiliares mais ligados aos dois.

    O ambiente de corte de Brasília incentiva esse tipo de informação.



    Publicado por jagostinho @ 10:47



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.