Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 19abr

    GAZETA DO POVO/CHICO MARÉS

    Pelo menos três parlamentares paranaenses devem compor a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investigará as relações do bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com o poder público.

    O senador Alvaro Dias (PSDB) e os deputados federais Rubens Bueno (PPS) e Fernando Francischini (PSDB) serão indicados oficialmente nesta quinta-feira (19) para compor a comissão.

    Essa lista pode crescer, já que nem todos os nomes foram indicados até o momento.

    Ao todo, serão 15 senadores e 15 deputados federais na CPMI. Cada um tem direito a um suplente. Dessas 30 vagas, apenas seis serão da oposição.

    Mesmo assim, Dias afirma que tem conversado com lideranças do PT e do PMDB para tentar garantir uma divisão no comando da comissão – um dos lados ficaria com a presidência, o outro com a relatoria, o que o senador considera uma forma de dar mais credibilidade ao processo.

    Entretanto, ele acredita que as chances disso acontecer são remotas.

    Segundo as investigações da Polícia Federal, o esquema de Cachoeira envolvia políticos ligados ao governo, como o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), e à oposição, como o senador Demóstenes Torres (DEM), além de empresas que prestam serviços para ambos os lados, como a Delta, que recebeu R$
    4 bilhões do governo federal desde 2007.

    Logo, ambos os lados tem interesses e receios em relação às investigações.

    Para Bueno, a oposição deve exigir que todos os fatos sejam apurados, mesmo aqueles que envolvem a oposição.

    “Na CPI, não há bancada de oposição e de situação. O parlamento tem o dever de investigar todas as denúncias”, afirma.

    “Isso é algo muito grave e envolve muita gente, portanto a opinião pública exige uma resposta”. O deputado afirma, também, temer que o governo dificulte as investigações.

    Mensalão

    Na semana passada, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, mencionou que a CPI poderia ajudar a “desbaratar a farsa do mensalão”.

    Para Francischini, a tendência é que o contrário aconteça. “Na verdade, pode ser que a gente ache mais uma ponta do iceberg do mensalão na Delta”, afirma o deputado.

    Já Dias diz acreditar que a CPI possa servir como estímulo para o Supremo Tribunal Federal dê prosseguimento para o julgamento do caso.

    Além disso, ele condena a declaração de Falcão. “Farsa é afirmar que o mensalão não existiu”, afirma o senador.

    Indicados

    Além dos três paranaenses da oposição, alguns outros nomes já foram anunciados por seus partidos.

    No Senado, veteranos como Renan Calheiros (PMDB-AL) e o ex-presidente Fernando Collor (PTB-AL) estão entre os indicados.

    Pedro Taques (PDT-MT) e Randolfe Rodrigues(PSOL-AP), que compunham com Demóstenes o grupo apelidado de “os três mosqueteiros”, também devem ser indicados – respectivamente, em vagas cedidas pelo PT e pela oposição.

    Do Senado deve sair o provável presidente da CPMI: Vital do Rego (PMDB-PB).

    Já na Câmara, além dos dois paranaenses, a oposição vai contar também com Carlos Sampaio (PSDB-SP), já anunciado como um dos indicados do partido.

    No lado governista, alguns nomes são especulados: o ex-líder do governo na Casa, Cândido Vacarezza (PT-SP) e o ex-ministro de Relações Institucionais e da Pesca, Luiz Sérgio (PT-RJ) estão cotados.

     



    Publicado por jagostinho @ 15:06



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Uma resposta

WP_Cloudy
  • cezar Disse:

    Eu gostaria de ver os nossos senadores lutando para criar a CPI da Privataria.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.