Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 15abr

    RADAR ON-LINE/LAURO JARDIM/VEJA.COM

    A linha justa

    Garibaldi aparece para o público, mas por trás dos holofotes quem faz-tudo no ministério da Previdência é o secretário-executivo Carlos Gabas

     

    Vários interlocutores de Dilma Rousseff já notaram um hábito peculiar da presidente: em reuniões fechadas no Palácio do Planalto, quando vai falar de algum tema de Previdência Social, Dilma raramente toca no nome do ministro Garibaldi Alves, preferindo citar um certo “Garibaldi Gabas”.

    A expressão vem a ser a união dos nomes do ministro com o do secretário-executivo do Ministério da Previdência, Carlos Eduardo Gabas.

    A explicação para a suposta confusão é simples: quem conhece o governo de perto sabe que, na realidade, Gabas é o faztudo do ministério.

    Garibaldi é o garantidor político da linha justa.

     

    De olho em 2015

    Ricardo Teixeira: influência mesmo dos Estados Unidos

     

    Ricardo Teixeira deixou a CBF, largou o comitê-executivo da Fifa, mas não renunciou à ideia de influenciar no futebol mundial.

    Da Flórida, onde mora, acalenta o sonho de articular uma chapa para disputar a sucessão de Joseph Blatter, em 2015.

    Teixeira já tem até nome para apoiar: Sandro Rossel, presidente do Barcelona, ex-representante da Nike no Brasil e seu amigo pessoal.

     

    Um brilho na imagem

    Dirceu: imagem em xeque

     

    Com o julgamento do mensalão marcado para começar nos próximos meses, José Dirceu contratou uma grande assessoria de comunicação para dar um polimento em sua imagem. Vasto programa.

     

    Convite rejeitado

    Justus sem tempo para se dedicar mais ao clube

     

    Roberto Justus não aceitou o convite do São Paulo para assumir a vice-presidência institucional do clube.

    A proposta foi encaminhada ao publicitário no início de março pelo presidente Juvenal Juvêncio.

    Justus alegou que não teria tempo para preencher o cargo e prefere continuar como consultor do São Paulo.

     

    Eu já sabia

    Linha dura

     

    Quando o pedido de liberdade de Carlinhos Cachoeira caiu nas mãos de Gilson Dipp, os advogados do bicheiro sabiam que a estadia de seu cliente em Mossoró (RN) seria, invariavelmente, prorrogada.

    Veja o que disse Dora Cavalcanti sobre o caso:

    – Bem, nós conhecemos o histórico do ministro, por isso ocorreu tudo dentro do previsto, tudo absolutamente dentro do esperado.

    Sem ter como agilizar o caso, a defesa depende agora da boa vontade do Ministério Público, que recebeu vista dos autos e não tem prazo para devolver o processo para julgamento.

     

    Lei de licitações

    Regra para licitar

     

    Adiado por um pedido de vista, o TCU deve retomar, na semana que vem, julgamento que pode alterar a maneira que a Corte de Contas analisa as licitações da Petrobrás.

    Cansado de condenar a estatal e ver a punição suspensa pelo STF – o que já aconteceu 19 vezes – Raimundo Carreiro propôs que o TCU aceite o decreto presidencial que autoriza a empresa a fazer licitações simplificadas.

    Até hoje, o TCU vem cobrando da Petrobrás a utilização da Lei das Licitações, como faz para qualquer outra estatal ou ente governamental.

     

    O patrimônio franciscano

    Um Ford Fiesta 2003

     

    O subchefe de Assuntos Federativos da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência, Olavo Noleto, enrolado em conversas com investigados pela Operação Monte Carlo, é conhecido entre os prefeitos de Goiás pelo apelido de “homem do cofre”.

    Apesar de toda influência para liberar demandas no Planalto, Noleto levava uma vida quase franciscana até pouco tempo: em 2006, quando disputou uma vaga na Assembleia Legislativa goiana, Noleto declarou possuir apenas um Ford Fiesta ano 2003, avaliado em 17 000 reais.

     

    Sessenta horas de grampos

    Horas e horas de conversas

     

    Integrantes da cúpula do PMDB no Senado receberam nesta semana uma informação que dá uma ideia do tamanho do trabalho que a futura CPI mista do Cachoeira terá quando o STF finalmente repassar cópia do inquérito da Operação Monte Carlo.

    Só as conversas de Demóstenes Torres com o bicheiro Carlinhos Cachoeira totalizam cerca de sessenta horas de gravações.

     



    Publicado por jagostinho @ 13:14



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.