Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 01abr

    JORNALE

    Margarete Marcondes foi presa em Santa Catarina


    Margarete Aparecida Marcondes, de 45 anos, admitiu ter colocado veneno nos docinhos que foram enviados como amostra à uma adolescente em Curitiba.

    A informação foi dada pela Polícia Civil do Paraná. O objetivo da doceira seria fazer a adolescente passar mal e, com isso, adiar sua festa de 15 anos, marcada para o dia 15 de abril.

    De acordo com o delegado Rubens Recalcatti, responsável pelo caso, a família da adolescente teria encomendo os doces à Margarete.

    Contudo, a doceira já havia gasto o valor pago como adiantamento e não teria dinheiro para atender o pedido.

    Margarete foi presa na madrugada deste sábado. Ela foi encontrada dormindo em seu carro em uma rua no centro de Barra Velha (SC), por volta das 3h, e levada para a delegacia de Joinville.

    De lá, seguiu para Curitiba, onde prestou depoimento.

    A doceira era procurada desde o dia 22 de março, quando policiais estiveram em sua casa e encontraram o local revirado e com marcas de sangue.

    O marido dela, que estava no local, tinha marcas de espancamento.

    Ele está internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) de um hospital de Joinville e ainda não foi ouvido. Seu estado é considerado grave.

    Segundo o delegado, Margarete admitiu ser a responsável pelo espancamento do marido.

    Ainda de acordo com a polícia, a doceira parece ter algum distúrbio psicológico.

    Os brigadeiros foram entregues por um taxista à menina no dia 12 de março.

    A jovem dividiu os docinhos com três amigos. Todos passaram mal e chegaram a ser internados.

    Um laudo apontou que os doces continham um inseticida chamado Terbufos.

    Margarete, que é amiga da família da adolescente, foi identificada após imagens de uma câmera de segurança de um shopping de Curitiba mostrarem o momento em que ela deixava um ponto de táxi logo após entregar a caixa para um dos motoristas.

    O taxista contou à polícia que recebeu R$ 16 para fazer a entrega na casa da menina.

    A doceira está presa e à disposição da Justiça na carceragem feminina do Centro de Triagem I, em Curitiba.



    Publicado por jagostinho @ 13:12



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.