Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 25mar

    Delúbio Soares (*)

    Em “Conversa na Catedral”, uma das grandes obras do escritor peruano Mário Vargas Llosa, o personagem Santiago Zavala pergunta consternado “en que momento se jodió el Peru?”. 

    A frase, mais que uma criação do celebrado Prêmio Nobel de Literatura, acabou tornando-se emblemática em seu país, sintetizando toda a amargura e indignação de seu povo diante dos descaminhos e fracassos ao longo de sua história.

    Hoje, exatamente como os brasileiros, nossos irmãos peruanos vivem uma das melhores fases de sua história, desfrutando de uma economia ascendente e uma democracia sólida.

    Longe da amargura de indagar em que instante de nossa história o Brasil se afundou, é melhor constatar em que momento o Brasil ganhou, superando o subdesenvolvimento, vencendo mazelas seculares, diminuindo drasticamente a miséria no seio de nossa população e ingressando no século 21 como uma das mais importantes potências econômicas e sociais do nosso tempo.

    Em que momento o Brasil ganhou?

    O Brasil virou o jogo e passou de perdedor a ganhador, de fracassos repetidos à vitórias expressivas, do fundo do poço para o centro das atenções mundiais, de humilhantes idas de pires na mão aos balcões do FMI para credor do mesmo FMI, quando o presidente Lula resolveu resgatar a imensa dívida social então existente.

    O Brasil virou o placar num jogo onde estava perdendo havia séculos, enfrentando com destemor o que muitos acreditavam ser nosso destino, mas Lula, sua equipe de governo e seus companheiros do PT sabiam ser apenas um desafio enorme a ser vencido.

    O Brasil, com Lula, passou de país derrotado para país ganhador. Esse foi o momento em que o Brasil emergiu do fundo do subdesenvolvimento, derrotou o conformismo, superou as dificuldades de sempre, fez uma clara opção pela democracia lastreada na justiça social e na redistribuição de renda.

    Esse foi o momento mágico em que nós superamos adversidades e medos, além do terrível “complexo de vira-lata”, aquele que nos fazia sentir pequenos, desimportantes e fracos diante do resto do mundo, diminuídos por conta de certa inferioridade que só existia, mesmo, nos corações e mentes de quem não arriscava sonhar com o país rico, grandioso e respeitado que estamos conseguindo ser.

    Estamos vivendo o menor nível de desigualdade social de toda nossa história. Enquanto países ricos do hemisfério norte experimentam momentos dificílimos nos dias de hoje, com desemprego inédito e profunda recessão econômica, conseguimos retirar 40 milhões de brasileiros da pobreza (classes D e E) e realizar a extraordinária inclusão de todos eles na classe média (a classe C).

    Trata-se da maior mobilidade social já vista em toda a história recente da humanidade. O que os teóricos da oposição sempre pregaram e jamais fizeram quando se encastelaram no poder por décadas e governos a fio, Lula e Dilma conseguiram fazer em menos de uma década.

    A classe C continuou a crescer e a consolidar-se no governo da presidenta Dilma Rousseff. Em 2011 a participação desse estrato social no total da população brasileira foi de 54%, segundo pesquisa realizada pela Cetelem, financeira do importante grupo financeiro francês BNP Paribas, em parceria com o instituto IPSOS. Essa nova e poderosa classe C recebeu mais 2,7 milhões de brasileiros no ano passado, vindos das classes D e E.

    Hoje, 103 milhões de pessoas formam a classe média em nosso país. E as classes D e E, desta forma, encolheram no ano passado, representando 24% da população, num total de 45,2 milhões de brasileiros. Em 2010, eram 47,9 milhões de pessoas, ou 25% da população.

    A pesquisa, que é realizada desde 2005, nos revela que 63,7 milhões de brasileiros ascenderam socialmente nos últimos sete anos. É o equivalente a toda a população da Itália! E o grupo que mais contribuiu para essa evolução foi, justamente e não por acaso, a classe C, que representava 34% da população em 2005, e hoje está em 54%.

    Esses números eloquentes, irrespondíveis e insofismáveis, podem ser traduzidos de forma simples: em sete anos os governos de Lula e Dilma retiraram da pobreza e incluíram na sólida classe média brasileira, quase 64 milhões de pessoas (uma Itália, duas Argentinas), que passaram a comer melhor, se vestir melhor, morar melhor, compraram mais eletrodomésticos e bens duráveis, adquiriram automóveis e motocicletas, viajaram mais, encheram aviões e hotéis, ingressaram em escolas e universidades e mudaram definitivamente o rumo de nossa história.

    É um instituto de pesquisas respeitadíssimo e um dos maiores grupos financeiros do mundo que investigaram nosso quadro social, buscaram números e os divulgaram ao mundo.

    Não é discurso de partido nem propaganda de governo. É, como costumava repetir o General De Gaulle diante da realidade das situações consumadas, “Sua Excelência, o fato”.

    O Brasil de hoje é aquele país pelo qual esperávamos. Apesar de tantos sofrimentos e revesses, aí está ele, pulsando progresso e desenvolvimento, menos injusto e mais humano, solidamente democrático e olhado com respeito pelo resto do mundo.

    O Brasil se deu ao respeito e o resultado é o surgimento do país pelo qual sempre lutamos, mais justo e feliz.

    Ao contrário do célebre personagem do mestre Vargas Llosa em sua desgostosa indagação diante de um país que então se afundava, podemos afirmar que esse é o momento em que o Brasil ganhou.

    (*) Delúbio Soares é professor

    www.delubio.com.br

    www.twitter.com/delubiosoares

    www.facebook.com/delubiosoares

    [email protected]

    Publicado por jagostinho @ 18:56



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.