Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 07mar

    JORNALE

    Proposta foi aprovada pela comissão especial e vai a plenário


    A comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira a Lei Geral da Copa, em meio a críticas ao secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, que sugeriu um “chute no traseiro” do Brasil para apressar a votação.

    Depois de diversas mudanças, o projeto aprovado na comissão libera o consumo de cerveja nos estádios, desde que em copo plástico e somente durante a Copa do Mundo e Copa das Confederações, e também estabelece feriados em dias de jogos do Brasil.

    A liberação da cerveja foi um dos pontos que sofreu resistência entre os próprios deputados, inclusive da base governista. Foram 15 votos a favor da bebida, e nove contra.

    “Em nome da economia, quanto vale a vida? O jogo não é uma apresentação de teatro, é uma disputa. E nós sabemos o que o álcool pode significar nisso, com pessoas violentas”, criticou a deputada Carmen Zanotto (PPS-SC).

    “Não é razoável investir R$ 1 bilhão em estádio que será ponto turístico e não poder beber. O momento é diferente da violência de anos atrás”, defendeu o relator, Vicente Cândido (PT-SP). O texto da Lei Geral da Copa deverá ir ainda ao plenário da Câmara e seguir para o Senado antes de virar lei.

    Pela versão aprovada, os estudantes terão meia-entrada somente na categoria 4 de ingressos, na chamada “cota social”.

    O benefício valerá também para integrantes do Bolsa Família e o preço final deverá sair a US$ 25 (cerca de R$ 45), com venda por meio de sorteios.

    Ao contrário dos estudantes, os idosos terão o desconto em todas as categorias, que inclui ingresso de até US$ 900.

    Segundo o relator, Vicente Cândido (PT-SP), a meia-entrada na categoria 4 foi a solução encontrada para atender aos estudantes e Fifa. Além da meia-entrada, os estudantes serão afetados durante a realização dos jogos.

    Um dos motivos para o adiamento da votação, no início deste ano, foi a discussão sobre em quais situações o governo deve bancar prejuízos da Fifa.

    A entidade pressiona para que sejam incluídas situações como desastres naturais. No texto aprovado, ficou a versão feita pelo governo, que só bancará prejuízos em casos de “ação ou omissão”.

    Num acordo com a Fifa, a Advocacia-Geral da União fará um documento com detalhes dessas situações.

    Antes de votarem a lei, os deputados reclamaram da postura do dirigente da Fifa.

    “As Copas anteriores também tiveram problemas e o Valcke não tem que meter o nariz onde não foi chamado”, disse o deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP).

    “Não é de hoje que ele se expressa de forma arrogante”, disse o deputado Otávio Leite (PSDB-RJ).

    Publicado por jagostinho @ 13:09



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Uma resposta

WP_Cloudy
  • Sandro Ostroski Disse:

    Jota. É muito blá, blá, blá e pouca discussão coerente. Nossos políticos são muito amadores. É como pegar o conjuge no sofá com um amante e jogar fora o sofá. Transfere-se a questão de segurança pública. A bebida alcóolica no Brasil é liberada. Portanto, ou se proíbe a bebida, ou se renova a política de amadores. Eu fico com a segunda.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.