Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 23fev

    GAZETA DO POVO/DENISE FARO-ENVIADA ESPECIAL

    Policiais protegem área na região de Itakiry, a 80 quilômetros de Foz do Iguaçu, que foi invadida por campesinos paraguaios. Eles colocam armadilhas nas estradas para ferir os cascos dos cavalos e furar os pneus de automóveis/Foto:Christian Rizzi-Gazeta do Povo

    Campesinos paraguaios atearam fogo em pelo menos 185 hectares de soja no distrito de Itakyry, a 80 quilômetros de Foz do Iguaçu.

    O ataque ocorreu no início da noite de terça-feira (21), após a polícia paraguaia cumprir uma ordem de reintegração de posse na propriedade de um brasileiro.

    Nesta quarta (22), montados em cavalos, agentes da polícia paraguaia protegiam a área, para evitar novos conflitos.

    Este é o terceiro foco de tensão entre brasileiros e paraguaios registrado no departamento de Alto Paraná, na divisa com o Paraná, somente neste ano.

    A lavoura atingida pertence a três proprietários, dois brasileiros e um paraguaio. Dos 185 hectares, 65 correspondia a soja pronta para colher.

    Em outros 120 hectares, a soja já estava semeada. O prejuízo total está avaliado em cerca de US$ 100 mil.

    O brasileiro Erico Carvalho Lemos, 61 anos, é dono de 30 hectares queimados. Na terça-feira, a polícia retirou cerca de 80 famílias que estavam desde janeiro em outra área de 180 hectares pertencente a ele.

    Irados, após serem obrigados a deixar o local, os sem-terra queimaram a soja de Lemos e de mais dois vizinhos.

    Há 30 anos no Paraguai, Lemos diz que já passou por problemas com os sem-terra, mas agora a situação é bem mais tensa.

    Ele conseguiu na Justiça autorização para a polícia proteger a propriedade. Só assim é possível ter tranquilidade. “Eles ameaçam queimar a casa, o barracão e maquinários”, conta o brasileiro.

    Assentamento

    Os sem-terra que atearam fogo na soja vivem em um assentamento, vizinho à propriedade dos brasileiros. Até o final do ano, a convivência era pacífica.

    Com o acirramento do conflito no campo, os campesinos começaram a invadir as propriedades. Para os brasileiros, isso ocorreu por motivos políticos.

    Eles dizem que pessoas infiltradas no assentamento incentivam as invasões e o conflito.

    Jair Walker, gerente da propriedade atingida, diz que foi ameaçado de morte pelos sem-terra. Responsável pelo trabalho na lavoura, ele convive de perto com os campesinos.

    Já recebeu ameaças pelo telefone e registrou queixa na polícia. No entanto, o temor sempre ronda.

    “É bom viver no Paraguai, mas quando começa esta pressão você sente vontade de voltar para o Brasil”, diz.

    Conflitos

    Os conflitos entre campesinos e sem-terra tornaram-se frequentes no Paraguai nos últimos meses.

    Outros dois pontos de tensão ficam em Ñacunday, onde carperos (como são chamados os sem-terra paraguaios) ocupam uma área próxima à propriedade do brasileiro naturalizado paraguaio Tranquilo Fávero.

    Outra área conflituosa fica em Mbaracayú, onde uma ordem judicial impede que 30 famílias de agricultores brasileiros plantem.

    Publicado por jagostinho @ 12:42



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.