Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 16fev

    FOLHA.COM

    A polêmica sobre o chamado kit anti-homofobia, encomendado pelo Ministério da Educação durante a gestão de Fernando Haddad, fará o petista “sofrer” na eleição municipal de São Paulo.

    A previsão é de Marcos Pereira, bispo da Igreja Universal e presidente nacional do PRB, partido aliado ao PT no governo Dilma Rousseff.

    O dirigente afirma que o material, conhecido entre os evangélicos como “kit gay”, será usado contra Haddad na campanha e vai fazê-lo perder votos neste segmento, estimado em cerca de 20% do eleitorado paulistano.

    “Vai ser difícil tirar essa mancha do Haddad. Ele vai sofrer muito com isso”, diz.

    Alessandro Shinoda – 28.jan.2012/Folhapress
    Membros da bancada evangélica têm focado ofensiva ao ex-ministro Haddad
    Bancada evangélica faz ofensiva contra Haddad

    O petista tem procurado líderes de igrejas para tratar do assunto. Ele sustenta que o material vazou antes de ser distribuído e que o MEC vetaria seu uso em salas de aula.

    Pereira afirma que a explicação não o convenceu.

    “Se o kit chegasse às escolas, seria o pior dos mundos. Mas se o Haddad pagou por algo que seria vetado, mostrou ser um mau administrador. De um jeito ou de outro, ele vai apanhar”, diz o bispo, que apoia o pré-candidato Celso Russomanno (PRB).

    Em 2011, a TV Record, controlada pela Universal, levou ao ar reportagens de mais de dez minutos sobre o kit, em tom crítico contra Haddad.

    Os petistas temem uma reprise da cruzada contra Dilma Rousseff na eleição presidencial de 2010, quando ela foi acusada de defender o aborto e ser contra a família.

    Na semana passada, o pastor Silas Malafaia e o senador Magno Malta (PR-ES) usaram o kit para atacar Haddad.

    O pré-candidato Gabriel Chalita (PMDB), católico, disse que o próximo prefeito precisará de “valores cristãos” para administrar a cidade.

    O presidente estadual do PT, Edinho Silva, defende o ex-ministro. “Estão atribuindo ao Haddad posições que ele nunca assumiu. É uma imensa injustiça”, diz.

    Ele afirma, no entanto, que o PT “não pode recuar a ponto de não reconhecer a necessidade de orientação contra a homofobia”. “O menino que se sente confuso não pode ser posto para fora da escola.”

    Publicado por jagostinho @ 12:55



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

2 Respostas

WP_Cloudy

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.