Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 26nov

    PORTAL BANDA B

    Em entrevista coletiva realizada na tarde desta sexta-feira (25), o ex-comandante geral da Polícia Militar do

    Scheremeta concedeu entrevista no quartel da PMPR

    Paraná (PMPR), Marcos Teodoro Scheremeta, explicou os motivos que o levaram a ser afastado do comando da PM.

    Durante aproximadamente 45 minutos de conversa, ele chegou a chorar ao se lembrar da forma como a notícia circulou, atingindo inclusive a sua familia.

    No início da semana, o secretário estadual de Segurança Pública, Reinaldo de Almeida Cesar, teria comunicado a troca de comando na PM pelo coronel Roberson Luiz Bondaruk, mas pedido sigilo para o substituído Marcos Scheremeta.

    “Não contei para ninguém, mas quando vazou na imprensa, minha filha me ligou querendo saber o que tinha acontecido”, disse.

    O principal fator alegado pelo coronel para sua saída foi o desgaste no relacionamento com o secretário. 

    “Ao longo do tempo vários fatos desgastaram o meu relacionamento com o Reinaldo, principalmente problemas de ordem particular. Quando você passa a se relacionar de maneira que não deveria com seu chefe, deve colocar seu cargo à disposição”, disse.

    Um dos fatos citados diz respeito à nomeação de Carlos Scheremeta, irmão do ex-comandante, como corregedor da Polícia Militar.

    O secretário não teria ficado satisfeito e pediu para que ele fosse exonerado. No entanto, Marcos Scheremeta, que não aceitou a exoneração, afastou a possibilidade de ter guardado rancor do responsável pela pasta.

    “Quero dizer de antemão que não saio brigado. Saio tranquilamente. Ele tem personalidade tão forte quanto a minha em termos de posições e, pelo seu cargo, precisa ser respeitado. Na minha posição de comandante também preciso ser respeitado”, explicou.

    O ex-comandante admitiu que o cargo que ocupa está vinculado a decisões políticas. Um dos fatores que provocou seu desligamento foi a polêmica com relação ao uso do Hospital da Polícia Militar por servidores públicos estaduais.

    Ele disse entender que o local cumpra sua função social, mas reclamou de não ter sido consultado sobre as mudanças no atendimento.

    “Foi feito de uma maneira que eu considerei errada. A abertura nunca foi tratada anteriormente. Como que eu, como comandante da PM, não fui consultado sobre isso?”, questionou, afirmando que o governador Beto Richa entendeu a sua decisão.

    Jogo do Bicho

    Durante a entrevista, Marcos Scheremeta contou que existem boatos de que o programa Fantástico, veiculado aos domingos pela Rede Globo, exibirá uma matéria que o relaciona ao jogo do bicho.

    “Eu conheço bicheiros, meu pai trabalhava em lotérica, mas há muitos anos eu e meu irmão o tiramos deste ramo. Converso com eles (bicheiros) por telefone, mas não tenho envolvimento”, se defendeu.

    Publicado por jagostinho @ 09:36



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.