Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 25out

    GAZETA DO POVO/ANA LUZIA MIKOS E ANDRÉ PUGLIESI

                                                                                                                           

    O grupo interessado no terreno do Pinheirão para construir um novo estádio no local agora es­­tuda uma via paralela para concretizar o ambicioso projeto.

    A mudança de rumo não descarta uma eventual troca de endereço, com a aquisição de outro imóvel na cidade – tudo avalizado pelo Coritiba, o parceiro do empreendimento.

    Conforme a Gazeta do Povo apurou ontem, o motivo para essa reviravolta chama-se Hélio Cury. O presidente da Federação Paranaense de Futebol (FPF) estaria endurecendo as tratativas – fato que desagrada aos investidores ligados ao Coxa.

    Prestes a completar um ano, as negociações sobre o destino do abandonado estádio do Tarumã, que começaram em novembro de 2010, emperraram na semana passada, graças à mudança de comportamento do dirigente.

    À Gazeta, por exemplo, Cury chegou a dizer: “Agora os coadjuvantes estão fora da conversa”.

    Por causa dessa declaração, o principal interessado percebeu a intenção da FPF de vender a área no mercado.

    Há, entretanto, uma discussão sobre a forma de comercialização do patrimônio.

    A lei de doação do imóvel (3583/69) impede a alienação (leia-se transferência a outro proprietário), a não ser em leilão ou desapropriação.

    A ruptura no andamento do negócio ficou escancarada após Cury descartar a oferta do investidor de adiantamento de recursos.

    A ideia era ajudá-lo na quitação de parte dos débitos da FPF com o INSS, impedindo que o Pinheirão fosse vendido publicamente na última quinta-feira.

    Posteriormente, após o dirigente bancar sozinho a quitação, o parceiro alviverde se pron­­tificou a ressarci-lo. Mais uma vez, frustrou-se com a posição do mandatário da FPF.

    Cury conseguiu parte do dinheiro através do empréstimo de duas federações estaduais de futebol. Francisco Noveletto Neto, presidente da Gaúcha, confirmou ontem à reportagem o repasse de R$ 500 mil à “coirmã” paranaense.

    O outro em­­préstimo teria vindo da federação carioca.

    No total, a FPF teria angariado R$ 1 milhão, assegurando assim uma garantia para negociar um débito de R$ 2,8 milhões com a seguridade social.

    Hélio Cury não confirmou a procedência do dinheiro. “Fui buscar onde sabia que tinha condições de nos dar algum apoio”, respondeu. “É dinheiro limpo”, reforçou ele.

    Sem desistir do Pinheirão, tido mesmo com todo o imbróglio como local ideal, os interessados se apegam agora na tese que o patrimônio – conforme rege a legislação municipal – só pode ser comprado via leilão judicial ou através de conversas com a prefeitura de Curitiba.

    O acerto com o município já foi iniciados para uma possível Parceria Público-Privada (PPP).

    Mas, paralelo ao sonho de edificar a arena coritibana no Tarumã, a nova praça esportiva também pode ser erguida em outro lugar.

    A construtora baiana OAS segue ao lado do grupo investidor.

    No início do próximo mês, ambas têm marcada nova reunião para tentar deslanchar o projeto.

    Sem a Federação.

    Cada um por si.

    Publicado por jagostinho @ 11:39



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Uma resposta

WP_Cloudy

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.