Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 24out

    BLOG LADO B/THEA TAVARES

    Pela gestão da política de trânsito em Curitiba, podemos ter uma visão clara do conceito de administração pública que o grupo político que domina a cidade há quase 30 anos impõe aos cidadãos.

    Muitos não param para pensar nisso, mas se o fizessem, não demoraria muito para a “ficha cair”: não se busca um bom trânsito, que beneficie todos os seus usuários – de pedestres a condutores -, mas um trânsito LUCRATIVO.

    A pesada indústria da multa se apresenta ao cidadão curitibano antes de qualquer política educativa, que favoreça a boa convivência entre todos que transitam pela cidade, dar o ar da graça.

    Desde que a URBS se viu impossibilitada pela Justiça de cobrar as multas sobre as contravenções captadas pelos radares, lombadas eletrônicas e agentes do Diretran, todo o empenho da Prefeitura de Curitiba se voltou para a busca de alternativas em torno de como continuar garantindo essa vultosa arrecadação.

    os meios de comunicação também polemizam sobre, claro, o “bandido” que se aproveita dessa “trégua” ou “entressafra” para cometer crimes, como os de avançar o sinal, imprimir velocidade exagerada e todo tipo de abuso atualmente “sem detecção e punição”.

    Mas a questão central não chega a ser debatida: a de que o objetivo maior da política de trânsito que vigora em Curitiba é o da arrecadação.

    Imagine um pai de família que bate, pune e aplica castigos nos filhos antes mesmo de educar e de ensinar as regras de convivência na família e na sociedade?

    O poder público – na concepção autoritária dos demo-tucanos – é esse pai que usa o aparelhamento estatal apenas para multar e para punir; pratica uma administração despótica. E ainda age como se a multa fosse a única proposta viável.

    Esse mesmo modelo de gestão, que no trânsito mostra apenas uma face, “resumo” de seu pragmatismo, é o que censura e derruba o pronunciamento da presidenta Dilma Rousseff (PT) do ar na TV E-Paraná, quando ela vem à Curitiba anunciar que o governo federal está destinando R$ 1 bilhão a fundo perdido para as obras do metrô e emprestando outros R$ 750 milhões à Prefeitura de Curitiba para que o empreendimento aconteça.

    Tirar do ar sua fala é adotar a “filtragem” na seleção do que é exibido e, mais do que isso, é trazer de volta à cena o pai autoritário que diz o que os filhos já bem crescidinhos podem e não podem ver, devem ou não devem ouvir.

    O modelo que a turma de Beto Richa (PSDB) implantou em Curitiba, via URBS, ICI etc, é o mesmo que, agora, está sendo exportado para o governo do estado, por meio dessa epidemia de agências reguladoras, dos esquemas de privatizações mascaradas e dos desmandos sobre órgãos e equipamentos públicos sob suas asas, como acontece na TV E-Paraná.

    Publicado por jagostinho @ 12:33



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

2 Respostas

WP_Cloudy
  • Míriam Disse:

    ARRECADAR, ARRECADAR, ARRECADAR E SE PUDER, ARRECADEM MAIS, AFINAL, O POVO TEM CARA DE TROUXA E DESCONHECE SEUS DIREITOS….
    ONDE VAMOS PARAR?

  • joãozinho Disse:

    Se é uma indústria da multa, a matéria-prima é abundante, e ela nunca vai parar de funcionar se depender da parte mal educada da sociedade, que só respeita se tiver certeza de punição.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.