Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 13out

    FERNANDO MARTINS/GAZETA DO POVO

    A divulgação de todos os vencedores do Nobel deste ano terminou na segunda-feira sem nenhuma surpresa para o Brasil.

    São 110 anos do principal prêmio internacional da ciência sem que o país tenha nem sequer um único escolhido.

    A irrelevância brasileira na premiação sueca é um retrato da desimportância histórica da educação e da pesquisa científica na agenda da elite política e econômica da nação, a despeito dos discursos em contrário.

    Há sinais de avanço, é preciso reconhecer. Mas são tímidos.

    Na semana passada, o Brasil conseguiu colocar uma universidade – a Universidade de São Paulo – entre as 200 melhores do mundo, segundo ranking elaborado pela Times Higher Education (THE), uma das mais respeitáveis instituições internacionais de avaliação da qualidade acadêmica.

    A USP figura, porém, numa modesta 178.ª colocação. É pouco para um país que é a sétima maior economia do mundo.

    O pouco prestígio das universidades brasileiras no exterior também é sintoma de outro problema nacional: um viciante modelo concentrador de renda.

    A existência de instituições de ensino superior de alta qualidade em maior número significa mais oportunidades para os cidadãos conquistarem bons empregos ou lançarem negócios de sucesso.

    Restringir a educação superior em nível de excelência é contentar-se com uma reduzida elite pensante e econômica.

    O Brasil parece trilhar o segundo caminho. O país tem apenas uma universidade na lista das 200 melhores do planeta, mas conta com sete brasileiros no ranking das 200 pessoas mais ricas do mundo, de acordo com a lista da revista Forbes divulgada em março.

    A qualidade da educação e da ciência nacional, portanto, não está acompanhando o ritmo do enriquecimento da nação.

    Ao analisar mais detidamente o ramo de atividade desses bilionários, também fica evidente que o desenvolvimento do país se baseia, em pleno século 21, na indústria do século 20.

    Petróleo, mineração, siderurgia, têxteis, bancos e bebidas fazem a fortuna dos brasileiros mais ricos.

    Nenhum deles ganhou dinheiro com as novíssimas tecnologias da informação e da biologia – como ocorre, aliás, com a economia do Brasil de um modo geral.

    Em um planeta cada vez mais globalizado e mergulhado na era da informação, essas características brasileiras podem se tornar uma enorme desvantagem competitiva do país num futuro próximo.

    Será preciso que a elite política e econômica da nação aprenda o verdadeiro valor da educação e da pesquisa.

    E que invista nisso, procurando produzir e não apenas importar conhecimento.

    Publicado por jagostinho @ 17:01



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.