Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 11out

    REUTERS

    Presidente Lugo - segundo estado de exceção

    O Paraguai reforçou nesta segunda-feira a presença militar no norte do país, dando início ao estado de exceção com o qual o governo do presidente Fernando Lugo espera combater o violento grupo armado que tem trazido medo para a região.

    A medida ficará em vigor por um período de 60 dias a partir da promulgação nesta segunda-feira nos Estados de San Pedro e Concepción, onde atua o Exército do Povo Paraguaio (EPP), um grupo de extrema esquerda que recentemente atacou uma delegacia de polícia de pequeno porte na região.

    “Com o estado de exceção, as forças militares também poderão operar na questão da segurança interna. Será feito um trabalho em conjunto com a polícia nacional”, disse o ministro do Interior, Carlos Filizzola, a jornalistas.

    O estado de exceção suspende certas garantias constitucionais, como o direito de reunião, e permite que o presidente ordene detenções sem uma ordem judicial.

    A medida foi bem recebida por muitos moradores do norte, que organizaram manifestações para pedir por segurança.

    A lei foi aprovada na quinta-feira passada pelo Congresso, em meio a fortes críticas ao governo por não conseguir capturar os líderes do EPP.

    Legisladores chegaram a sugerir a possibilidade de um processo de impeachment do presidente caso a medida terminasse sem resultados.

    O general de brigada Félix Pedrozo, que foi designado comandante das operações, disse que membros dos três braços das Forças Armadas – Exército, Marinha e Força Aérea – começaram a se mover para o Estado de Concepción, a cerca de 500 quilômetros ao norte de Assunção, para dar início à operação.

    “Levamos a quantidade e qualidade de pessoal necessário para o cumprimento desta missão. Colocaremos nossa maior dedicação, esforço e capacidade profissional a fim de cumprir o que nos foi pedido”, afirmou Pedrozo.

    O oficial não deu detalhes do número de militares envolvidos e argumentou que as operações anteriores fracassaram por terem divulgado informações demais.

    A mídia local relatou a mobilização de cerca de 200 militares em uma caravana de 10 veículos táticos e seis blindados.

    Trata-se da segunda vez em que os militares operam na região em menos de dois anos.

    Durante o estado de exceção declarado em abril de 2010 para combater o EPP, militares e policiais tiveram dificuldades para atuar de forma conjunta e houve tensões constantes entre seus líderes.

    Publicado por jagostinho @ 11:20



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.