Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 04jul

    YOU TUBE/FOLHA

     

    Aeroporto de Guarulhos, desembarque internacional. Assim que saiu pelo portão e ganhou a rua, Robert Wladyslaw Parzelski, 44, em vez de pegar um táxi, como todo mundo, sentou-se em um banco frio de cimento.

    Foi lá que, protegido apenas por um cobertor fino, e tendo ao lado a mala de viagem, passou 15 dias _sozinho, sem ter para onde ir, como falar, com quem falar, sem poder voltar.

    Cidadão polonês, Parzelski chegou ao Brasil no dia 17 de junho, voo 247 da British Airways. Veio de Londres.

    Monoglota na língua eslava, não conseguia se comunicar com ninguém no Brasil, a não ser por mímica.

    A quem lhe dirigia a palavra, acendia os olhos azulíssimos e balbuciava: “I’m Poland” _algo como “Sou Polônia”, em inglês.

    “VAI QUE FICA

    O estrangeiro contou com a solidariedade do grupo de faxineiros do terminal aéreo.

    Conversando com Parzelski em português mesmo “Para ele ir se acostumando; vai que fica por aqui”, Sandra Sueli, Edvaldo dos Santos Sousa e Francisca Rodrigues de Sousa levavam-lhe restos de comida (no almoço de quinta foi carne de panela), água, iogurte e cigarros.

    No Posto de Atendimento Humanizado aos Migrantes, dentro do aeroporto, já chegara a notícia de que havia “um alemão” perdido por ali. Mas ninguém foi procurar.

    “Nossa atribuição é dar assistência a brasileiros e brasileiras inadmitidos ou deportados de outros países”, explicou a coordenadora.

    Na Delegacia da Polícia Civil, o escrivão afirmou que não podia fazer nada: “Não há denúncia contra ele.”

    No Consulado da Polônia em São Paulo, um assessor disse “desconhecer o problema”.

    Na Infraero, que administra o aeroporto, ignorava-se a existência de Parzelski, apesar de seu aspecto miserável, a barba crescendo e ele dormindo ao relento nas noites frias deste início de inverno (na terça-feira, 28, aliás, os termômetros de Guarulhos registraram 3ºC às 6h).

    Os funcionários da limpeza, porém, sem saber uma palavra de polonês, juntaram um monte de informações sobre o estrangeiro.

    Por exemplo, de como ele domesticava o frio. Duas garrafas vazias de vodca (uma custou R$ 36 e a outra, R$ 54) foram encontradas, escondidas, no canteiro atrás do banco de Parzelski.

    Outro canteiro, diga-se, fazia as vezes de WC. Banho não houve nenhum nos 15 dias de aeroporto. Nem troca de roupas.

    Felix Lima/Folhapress
    Polonês em Cumbica

    A Folha pediu ao médico polonês Witold Broda, 70, há 47 anos no Brasil, que ajudasse a resolver o mistério do viajante perdido –até aí, só se sabia que o nome do homem era Robert (a turma da faxina já apurara também essa informação).

    Foi às 21h de quinta (30) que Broda chegou ao aeroporto. Encontrou seu conterrâneo dormindo, mas engatou mesmo assim uma prosa em polonês.

    O homem acordou e até se iluminou num leve sorriso. Era a primeira vez, desde que saíra da Europa, que conversaria com alguém.

    A Broda, ele mostrou o passaporte, cuidadosamente guardado em uma carteira de couro no bolso de trás da calça.

    Na foto do documento confeccionado há 5 anos, ele aparece com bigodão à la Stálin, os cabelos bem pretos, colarinho de camisa social –parece outra pessoa.

    Está lá o carimbo da imigração brasileira, que deixou Parzelski entrar mesmo sem ter a passagem de volta, requisito básico para a admissão de turista em quase todos os países.

    Parzelski contou que era eletricista de automóveis em Cracóvia, na Polônia.

    Casado e pai de cinco filhos, foi para a Grã-Bretanha, arriscar um emprego na construção civil. Vivia apenas entre poloneses como ele.

    Mas, colhido pela crise econômica européia, caiu no desemprego.

    À ESPERA

    Foi quando um conterrâneo propôs a viagem ao Brasil. Parzelski disse que recebeu a passagem só de ida e a recomendação: que esperasse dois dias no aeroporto. O amigo viria encontrá-lo.

    O plano era dar um passeio por São Paulo e voltar a Londres. Parzelski só teria de levar para a Europa dois aparelhos de telefone. “De telefone?”, indagou o médico-tradutor. “Para quê?”Não obteve resposta.

    Jorge Araujo/Folhapress
    Polonês em cumbica

    O amigo não apareceu e Parzelski, sozinho, ficou à deriva. Na sexta-feira à tarde, o consulado enviou um táxi para resgatar o náufrago do aeroporto.

    Na despedida, com a ajuda do Google Translator, a reportagem escreveu uma mensagem a Parzelski: “Jestesmy tu aby pomóc” (“Estamos aqui para ajudar”).

    Parzelski bateu no coração, juntou as mãos, como se rezasse, e foi-se com o taxista. Levaram-no para o consulado, em Perdizes (zona oeste de São Paulo).

    Na representação polonesa, um assessor disse que nesta segunda o cônsul informará quais providências adotará no caso.

    Publicado por jagostinho @ 17:02



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Uma resposta

WP_Cloudy
  • Skora Disse:

    Jota

    seria cômico não fosse trágico!

    Mas essa história dos telefones é treta, não acha?

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.